Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeAssociação Fu Hong pede criação de centros comunitários de saúde mental

      Associação Fu Hong pede criação de centros comunitários de saúde mental

      Além de aguardar por mais promoção sobre a importância da saúde mental, a Associação Fu Hong considera ser necessário o Governo fortalecer medidas preventivas sobre a defesa da saúde mental através de, por exemplo, estabelecer centros integrados de serviços para a comunidade, com o intuito de facilitar a procura de assistência profissional por parte dos cidadãos necessitados.

      Comemorou-se ontem o Dia Mundial da Saúde Mental, que é apoiado pela Organização Mundial da Saúde, assinalado este ano com o tema “Fazer da saúde mental e bem-estar para todos uma prioridade global”.

      Nesse sentido, a Associação Fu Hong espera que as autoridades desempenhem um papel mais activo na conscientização da saúde mental e contra o seu estigma social, por meio da realização de actividades comunitárias regulares e de publicidade, aumentando a compreensão social sobre o assunto e reduzindo a discriminação, bem como encorajando o público a expressar os seus sentimentos e pedir ajuda sempre que precisem.

      “Devem ainda ser alocados mais recursos aos serviços de assistência social de apoio à saúde mental. Tendo em vista que alguns familiares de portadores de deficiência mental podem não ter recursos e capacidade para cuidar das necessidades dos pacientes quando se encontram em dificuldades, deve ser fornecido mais apoio relacionado com o bem-estar social”, salientou a associação, citada pelo Jornal Ou Mun.

      A Associação Fu Hong, que sugeriu estabelecer centros comunitários de saúde mental tendo Hong Kong como referência, destacou que os centros, além de poderem aumentar o apoio psicológico dos portadores e reabilitados de deficiência mental e dos seus cuidadores, vão servir também como apoio emocional aos trabalhadores de serviços sociais, nomeadamente os assistentes sociais da linha de frente, “que merecem mais atenção às suas necessidades físicas e mentais”, salientou.