Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
30.9 ° C
32.9 °
30.9 °
84 %
5.1kmh
40 %
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °
Dom
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeUm total de 668 não residentes foram repatriados durante a Operação Trovoada...

      Um total de 668 não residentes foram repatriados durante a Operação Trovoada  

      Este dado faz parte do balanço deste ano da principal operação de combate ao crime que ocorre no território e engloba trabalhos conjuntos das autoridades policiais das regiões de Guangdong, Hong Kong e Macau. Outro dado revelado é que desse número, 222 estavam no território em excesso de permanência.

       

      Os Serviços de Polícia Unitários (SPU) divulgaram, na passada sexta-feira em conferência de imprensa, os dados globais da Operação Trovoada 2022 que se realizou em duas fases – de 20 de Maio a 4 de Julho e de 13 a 30 de Setembro. Do balanço da operação, um total de 668 não residentes foram encaminhados para o departamento de Controlo Fronteiriço do Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) para “o devido processo de repatriamento”.

      Durante as duas fases da operação, as autoridades policiais descobriram que desses não residentes, 158 cometeram crimes, 58 chegaram a Macau por processos de imigração ilegal, 222 excederam o tempo de permanência no território, 15 estavam a trabalhar ilegalmente, 137 viram-se envolvidos em trocas ilegais de dinheiro, 55 foram apanhados em questões relacionadas com prostituição, quatro trabalhavam ilegalmente por contra própria e 19 pessoas “não se coadunavam com a qualidade de turista”.

      As autoridades consideraram, aos jornalistas, que “conseguiram atingir os resultados esperados, tendo contribuído para o combate à criminalidade transfronteiriça e a repressão das actividades ilícitas em Macau”, prometendo que a polícia “irá continuar atenta, a estudar e analisar novas tendências de criminalidade”.

      Outra questão que foi conversada com os órgãos de comunicação social prendeu-se com questões relacionadas com o jogo ilícito. O subdirector da Polícia Judiciária (PJ), Luís Leong, referiu que “foi prestada muita atenção” a questões dessa índole. “Tanto o jogo ilegal em áreas permitidas, como são os casinos, como também o jogo ilícito em áreas não permitidas, mereceram a nossa atenção. Efectuámos as necessárias patrulhas e reforçámos a troca de informações. O jogo na Internet também mereceu a nossa atenção.”

      As forças da autoridade do território desencadearam diversas acções de combate ao crime, nomeadamente com fiscalizações surpresa em salas de jogos, pensões, cibercafés, karaokes, discotecas, bares, saunas, casinos, bem como em muitos outros locais. “No âmbito desta operação, as autoridades policiais realizaram um total de 1.184 acções de fiscalização, tendo actuado num total de 2.698 locais”, referiu Vong Chi Hong, adjunto do comandante-geral dos SPU.

      Nos casos envolvendo processos criminais, 56 estão relacionados com crimes contra pessoas, tendo ocorrido um caso de homicídio por negligência, 21 casos de ofensa à integridade física e 13 casos relacionados com matéria de cariz sexual ou pornográfica, sendo que desses aconteceram duas violações e um caso de abuso sexual de menor.

      Ocorreram ainda 106 casos relacionados com crimes contra o património, dos quais se destacam 19 casos de furto e 47 casos de burla. Aconteceram também 21 casos relacionados com crimes contra a vida em sociedade, 14 casos relacionados com crimes contra o território, 172 casos no âmbito de legislação penal avulsa que contempla crimes com drogas, jogo ilícito, imigração ilegal, branqueamento de capitais, crimes rodoviários, entre outros.

      Em todos os crimes encontrados durante a Operação Trovoada, 226 suspeitos viram ser-lhes aplicadas medidas de coacção ou de condenação, sendo que a 35 pessoas foi aplicada a medida de prisão preventiva. Foram apreendidas diversas quantidades de vários tipos estupefacientes, quantidades avultadas de dinheiro, fichas de jogo, armas proibidas, automóveis, vários telemóveis e documentos falsificados, entre outros itens.

      De acordo com o mesmo balanço, o número total de agentes mobilizados foi de 12.303, sendo que, durante as operações, 52.056 indivíduos foram sujeitos a identificação, 1.799 foram conduzidos a esquadras de polícia para efeitos de averiguações, de entre os quais 467 pessoas foram encaminhadas aos órgãos judiciários para efeitos de acusação por envolvimento num total de 370 casos.