Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China considera comentários de Biden sobre Taiwan  “grave violação” de compromissos...

      China considera comentários de Biden sobre Taiwan  “grave violação” de compromissos dos EUA

      A China considerou ontem os comentários do Presidente norte-americano, Joe Biden, que assegurou que os Estados Unidos defenderiam Taiwan no caso de uma intervenção chinesa, uma “grave violação” dos compromissos diplomáticos assumidos por Washington.

       

      Questionado pelo canal norte-americano CBS se “os EUA defenderiam Taiwan no caso de uma invasão chinesa”, Biden respondeu que “sim, se ocorrer um ataque sem precedentes”.

      As observações de Joe Biden constituem uma “grave violação do importante compromisso assumido pelos Estados Unidos, de não apoiar a independência de Taiwan”, reagiu Mao Ning, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China. “Isto envia um sinal errado [de apoio] às forças separatistas que fazem campanha pela independência de Taiwan”, acrescentou Mao, em conferência de imprensa.

      Por meio de três comunicados conjuntos assinados em 1972, 1979 e 1982, os Estados Unidos comprometeram-se a reconhecer o governo de Pequim como o único representante legítimo da China. Washington cortou os laços diplomáticos com Taipé em 1979.

      As declarações de Biden surgem após uma significativa reaproximação entre os Estados Unidos e Taiwan, numa altura em que as relações entre Pequim e Washington atravessam o pior período em várias décadas.

      Na quarta-feira passada, o Comité para as Relações Externas do Senado dos Estados Unidos aprovou o projeto de Lei Taiwan Policy Act, que prevê uma ampliação do apoio militar norte-americano a Taiwan em 6,5 mil milhões de dólares, ao longo dos próximos cinco anos.

      Na mesma semana, a China condenou a venda de armamento a Taiwan, feita pelos EUA, no valor de 1,1 mil milhões de dólares, e prometeu “contramedidas” para “defender a sua soberania e interesses de segurança”.

      No início de Agosto, a visita a Taiwan da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi também provocou a fúria de Pequim. “Pedimos aos EUA que reconheçam plenamente a extrema importância e alta sensibilidade da questão de Taiwan (…) para que não prejudiquem ainda mais as relações China – EUA”, disse Mao Ning.

      China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas. Pequim considera Taiwan parte do seu território e ameaça a reunificação através da força, caso a ilha declare formalmente a independência.

       

      BIDEN ALERTA PEQUIM SOBRE VIOLAÇÃO DAS SANÇÕES À RÚSSIA

       

      O Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, disse ter prevenido o seu homólogo chinês, Xi Jinping, para o risco de fuga de investidores se Pequim violar as sanções impostas à Rússia, devido à invasão da Ucrânia.

      Num excerto de uma entrevista à cadeia de televisão CBS Joe Biden disse que explicou a Xi Jinping, por telefone, que violar as sanções seria “um enorme erro”, notando que não tinha nenhuma indicação até agora de que a China tivesse apoiado ativamente o esforço de guerra russo através do fornecimento de armas. “Apelei ao Presidente Xi – não para ameaçar, apenas para dizer (…) – que se pensa que os americanos e outros vão continuar a investir na China enquanto vocês violam as sanções contra a Rússia, penso que estão a cometer um erro gigantesco”, disse Joe Biden. “Neste momento, não há qualquer indicação de que eles [os chineses] tenham oferecido armas ou outras coisas de que a Rússia necessita”, disse o Presidente dos Estados Unidos.

      Biden também rejeitou a ideia de que a aliança entre a China e a Rússia implica que os Estados Unidos estão a travar um novo tipo de guerra fria. “Não creio que seja uma guerra fria nova ou mais complicada”, disse.

       

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau