Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
25.9 ° C
26 °
25.9 °
94 %
2.6kmh
75 %
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
28 °
Ter
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaEmpresa GMM junta-se às seis operadoras locais na corrida às novas...

      Empresa GMM junta-se às seis operadoras locais na corrida às novas licenças de jogo em Macau

      O concurso público para a atribuição de seis novas licenças de jogo vai contar com sete concorrentes, incluindo as seis actuais concessionárias em Macau, e a recém-registada no território GMM. Associada ao Genting Group, liderado pelo empresário Lim Kok Thay e que opera casinos e ‘resorts’ na Malásia e Singapura, a nova empresa concorrente garantiu ter confiança no concurso e quer trazer “um novo estímulo” a Macau.

       

      Além das actuais seis operadoras de jogo em Macau, a GMM S.A., ligada ao Genting Group da Malásia, tornou-se ontem no sétimo concorrente no concurso público para a concessão de seis novas licenças de jogo, válidas para os próximos dez anos.

      Terminou ontem à tarde o prazo de entrega de propostas e documentos para o concurso público para a atribuição de concessões para a exploração de jogos de fortuna ou azar em casino, tendo o Governo confirmado posteriormente que foram recebidas candidaturas de sete concorrentes, nomeadamente Wynn Resorts, Venetian Macau, Melco Resorts, SJM Resorts, MGM Grand Paradise, Galaxy e GMM.

      A Wynn Resorts foi a primeira a formalizar, na terça-feira, a candidatura às novas licenças de jogo. A Venetian Macau e a Melco Resorts entregaram as propostas ontem de manhã. Já a SJM Resorts, representada por Daisy Ho e Angela Leong, a MGM Grand Paradise, liderada por Pansy Ho, e a Galaxy, de Francis Lui, submeteram a candidatura algumas horas antes da conclusão do prazo.

      São estas as seis empresas que estão a operar o sector do jogo em Macau, titulares de três licenças de concessão e três de subconcessão, emitidas pelo Governo da RAEM em 2002. Quanto à nova concorrente, a GMM, de acordo com o seu registo comercial, segundo a Allin Media, a empresa foi constituída em Macau no dia 7 deste mês, com um capital social de um milhão de patacas. Consta na lista o membro da direcção administrativa da empresa Lim Kok Thay, empresário malaio e presidente do Genting Group, que opera casinos e ‘resorts’ na Malásia e Singapura.

      A proposta da GMM foi apresentada pelo advogado Bruno Nunes. A representante da empresa, de apelido Chan, admitiu à imprensa chinesa que a GMM está ligada ao Genting Group, estando confiante na licitação de licença de jogo na RAEM, bem como no ambiente global do mercado, esperando “trazer um novo estímulo a Macau através da sua participação”.

      Chan salientou que a Genting é uma empresa de entretenimento integrado com operações em todo o mundo, incluindo Las Vegas, Nova Ioque, Reino Unido, Malásia e Singapura, sendo a maior empresa de lazer e entretenimento do Reino Unido, tendo recentemente expandido o negócio no Egipto. A porta-voz adiantou que o empresário Lim Kok Thay não compareceu na ocasião devido às medidas anti-epidémicas em Macau.

      A empresa também participou na construção da estação de esqui em Zhangjiakou, da província de Hebei, durante os Jogos Olímpicos do Inverno na China. A Genting detém também uma participação de 50% no Hotel Treasure Island, actualmente em construção em Macau.

      Ao abrigo do despacho do Chefe do Executivo acerca da abertura do concurso público das novas licenças de jogo, as concorrentes têm de prestar uma caução de admissão de pelo menos 10 milhões de patacas. Na selecção dos concorrentes e na apreciação de propostas serão considerados elementos como o montante da parte variável do prémio proposto, experiência na exploração de jogos, responsabilidades sociais, bem como os planos destinados à expansão dos mercados de clientes de países estrangeiros.

      Durante a pandemia as receitas brutas mensais do jogo têm sofrido um grande impacto, tendo registado um recorde negativo em Julho deste ano. Nos primeiros oito meses de 2022, os casinos locais arrecadaram 28,86 mil milhões de patacas, menos 53,4% do que no período homólogo do ano passado. Apesar das quebras das receitas, o novo regime jurídico da exploração de jogos aprovado em Junho este ano prevê que o capital social das concessionárias não pode ser inferior a 5 mil milhões de patacas, ao longo de todo o prazo da concessão. Esse montante equivale a um aumento de 25 vezes em relação à antiga lei do jogo.

      As autoridades adiantam ainda que o acto de abertura das propostas de adjudicação da Comissão do Concurso vai ter lugar no dia 16 de Setembro, pelas 10h, no 21.º andar do Edifício China Plaza, e estarão presentes os membros da Comissão do Concurso, o representante do Ministério Público e os representantes dos concorrentes que já entregaram as propostas.

       

      GENTING É “CONCORRENTE MUITO FORTE”

       

      O analista de jogo Ben Lee considerou ontem que o grupo malaio Genting é “um concorrente muito forte” para o concurso público para a atribuição de seis licenças de exploração de jogos em casino em Macau. O Genting Malaysia Berhad “é um grupo muito ambicioso sob a direcção do actual director executivo”, com “presença em praticamente todos os continentes”, disse à Lusa o analista da consultora de jogo IGamix.

      O Genting “é o operador com a maior base de dados da Ásia no que toca aos jogadores, particularmente jogadores VIP”, sublinhou Ben Lee. “Nenhum operador no mundo chega minimamente perto”, acrescentou. O Genting é ainda “o único” dos sete concorrentes que “conseguiu ter sucesso no desenvolvimento de parques temáticos” com casinos, disse Ben Lee.

       

      PONTO FINAL