Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Analistas consideram que expectativas do Governo para as operadoras de casinos...

      Analistas consideram que expectativas do Governo para as operadoras de casinos não fazem sentido

      Jorge Costa Oliveira, fundador e director da JCO Consultancy, Vitaly Umansky, director e analista sénior da AB Bernstein, e Alidad Tash, director da 2NT8, foram convidados pela Câmara do Comércio França-Macau (FMCC) para comentar o concurso público para a licença de jogo que está em curso. Os três especialistas de jogo consideram irrealista a expectativa das autoridades para os novos titulares das próximas licenças do jogo.

       

      Numa videoconferência organizada pela Câmara do Comércio França-Macau (FMCC) e pela Macau Business realizada ontem intitulada “Macau Gaming at Crossroads: The Public Tender and Beyond”, os três analistas convidados consideraram que os pedidos que o Governo fez às novas concessionárias “não fazem sentido”.

      O concurso público de 48 dias para atribuição de licenças de jogo acaba na próxima quarta-feira. As autoridades exigem que as novas concessionárias apostem nos elementos não-jogo e na captação de jogadores estrangeiros, no sentido de favorecer o desenvolvimento diversificado da cidade. Jorge Costa Oliveira, fundador e director da JCO Consultancy, diz que “não faz sentido” o Governo transferir a sua responsabilidade para as concessionárias.

      Recorde-se que as empresas titulares das próximas licenças do jogo em Macau devem dedicar-se a 11 projectos, incluindo aumentar o turismo internacional, promover a arte e a cultura, receber grandes eventos desportivos ou desenvolver o turismo de saúde e marítimo.

      “Operadoras de casinos operam casinos e pagam uma grande quantidade de impostos. Com este nível elevado de fiscalização, deveria caber a responsabilidade do desenvolvimento de Macau às autoridades. Convém ser o Governo a definir as estratégias e políticas para lidar com as infraestruturas públicas”, refere o especialista no sector de jogo, indicando que “o Governo não quer fazer o seu trabalho”. “O desenvolvimento da cidade depende das propostas feitas pelas operadoras de casinos em domínios que têm pouca correlação”, prosseguiu.

      Vitaly Umansky, director e analista sénior da AB Bernstein, lembra que, nas últimas duas décadas, os elementos não-jogo que foram desenvolvidos pelas operadoras de casinos deveram-se à intenção de maximização dos lucros num monopólio de jogo e atracção de clientes de alto valor para a cidade.

      Em resposta ao facto de o foco do Governo no actual processo de concessão de licença de jogo ter sido expandir a esfera de elementos não-jogo com uma definição amplificada, Umansky é peremptório: “É irrealista, não vai acontecer. As operadoras de casinos não vão construir todas estas coisas, e muitas destas coisas não fazem nenhum sentido”.

      O analista norte-americano remete o exemplo de Las Vagas no que toca às comodidades não relacionadas ao jogo.  “Não podemos só ver como [os casinos em Las Vagas] têm tantas comodidades não-jogo, mas como a elas sugiram”, refere Umansky, acrescentando que “[as comodidades não-jogo] surgiram através de uma parceria entre o Governo e vários empreendedores que compreenderam a mudança que está a ocorrer e decidiram construir eficazmente ao longo do tempo não só um destino de jogo, mas também um destino que serve para turismo de congressos, conferências e eventos”.

      O especialista no sector de jogo considera ainda que falta muito para o território atingir este modelo devido à incompetência do Governo e insuficiência de instalações, muito menos se forem feitas apenas pelas seis concessionárias. “A noção de que de alguma forma Macau se vai transformar num destino internacional de jogo é irrealista a curto ou médio prazo, talvez também a longo prazo, a menos que as infraestruturas e a economia de Macau sejam completamente transformadas, o que não será um processo de dois ou três anos”, disse Umansky.

       

      POUCO AMIGÁVEL À MOBILIDADE DAS PESSOAS

       

      Para o director da 2NT8, Alidad Tash, a política antipática de vistos que se associa à hostilidade das autoridades chinesas contra as actividades de jogo tem criado uma grande barreira para as operadoras de casinos se dedicarem ao sector MICE (reuniões, incentivos, conferências e exposições).

      O responsável da empresa de consultoria especializada em jogo e hotelaria destaca ainda que é importante as autoridades abrirem a porta para a entrada de estrangeiros em vez de continuar a expulsá-los. “Tudo é ridículo. Não parece ser possível pedir aos cozinheiros que preparem os pratos sem lhes dar os ingredientes”.

      Os dois analistas norte-americanos apontam que a falta de recursos humanos é o maior constrangimento de Macau. A cidade tem tido dificuldade de garantir quadros técnico-profissionais com experiência em diversas áreas e contratar trabalhadores de nível baixo com custo razoável de outra jurisdição. Tash confessa que pode ser difícil para os casinos do território captarem a atenção de apostadores estrangeiros com croupiers exclusivamente residentes de Macau que não têm escolaridade e não falam outra língua para além do chinês.

       

      PONTO FINAL