Edição do dia

Terça-feira, 21 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.6 ° C
25.9 °
24.8 °
94 %
4.6kmh
40 %
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
24 °
Sex
27 °
Sáb
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaFuneral de antigo PM japonês assassinado vai custar 12 milhões de euros

      Funeral de antigo PM japonês assassinado vai custar 12 milhões de euros

      O funeral do antigo primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe, assassinado a tiro em Julho, vai custar cerca de 1,7 mil milhões de ienes (12,1 milhões de euros) ao Estado, foi ontem anunciado. O aumento do custo inicial, estimado em quase 250 milhões de ienes (1,7 milhões de euros), deveu-se às despesas com a segurança e o acolhimento dos representantes de mais de 190 países e territórios, incluindo cerca de 50 chefes de Estado, disse o porta-voz do Governo japonês, Hirokazu Matsuno. Os custos de segurança foram estimados em 800 milhões de ienes (5,6 milhões de euros) e os da recepção de dignitários estrangeiros em 600 milhões de ienes (4,2 milhões de euros), acrescentou.

      Logo depois do assassínio de Shinzo Abe, em 08 de julho, durante um comício eleitoral, em Nara (oeste), o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, anunciou a intenção de organizar cerimónias fúnebres de Estado, marcadas para 27 deste mês, em Tóquio. Contudo, tal homenagem a um antigo primeiro-ministro é rara no Japão desde o período do pós-guerra.

      Apesar da longevidade recorde de Shinzo Abe no poder (2006-2007 e 2012-2020) e da intensa actividade internacional, o político é muito controverso no Japão, com mandatos manchados por numerosos escândalos políticos e financeiros.

      De acordo com uma sondagem publicada na segunda-feira pelo diário conservador Yomiuri, 56% dos inquiridos eram contra o funeral de Estado.

      Alguns cidadãos opõem-se ao financiamento público da cerimónia, enquanto outros são contra por acreditarem que levará a população a glorificar Shinzo Abe, uma figura controversa da direita nacionalista japonesa. O presumível assassino, Tetsuya Yamagami, afirmou depois de ter sido detido que tinha visado o antigo primeiro-ministro pelas alegadas ligações com a Igreja da Unificação, também conhecida como o culto da Lua.

      A popularidade do Governo de Kishida desceu, durante o verão, na sequência de revelações sobre alegadas ligações entre membros eleitos do Partido Liberal Democrático (LDP) e a Igreja da Unificação, além da atual controvérsia sobre o funeral de Shinzo Abe.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau