Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
26.3 ° C
27.6 °
25.9 °
94 %
2.1kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
27 °
Sex
27 °
Sáb
27 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeHospital Universitário coopera com Jacobson Pharma na aquisição da vacina mRNA disponível...

      Hospital Universitário coopera com Jacobson Pharma na aquisição da vacina mRNA disponível para turistas

      No que diz respeito à disponibilização dos serviços de administração da vacina mRNA a turistas e estrangeiros de Macau, o Hospital Universitário, que se localiza no campus da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST), revelou que a iniciativa resulta da cooperação com a empresa farmacêutica Jacobson Pharma Corporation. Ao PONTO FINAL, a entidade hospitalar adiantou que a vacina mRNA usada neste serviço é proveniente de aquisição privada, através do gabinete sediado em Macau da referida empresa.

      “A vacina mRNA usada pelo nosso hospital não vem da aquisição uniformizada pelo Governo da RAEM, mas foi comprada pelo hospital ao agente em Macau da Jacobson Pharma Corporation. Assim como as vacinas mRNA fornecidas pelas autoridades, todas as vacinas são produzidas na Alemanha e enviadas directamente da Alemanha para Macau”, explicou.

      Com um custo de 1.000 patacas por dose de vacina, o Hospital Universitário deu início à iniciativa, destinada aos não residentes, no dia 24 de Agosto, de forma experimental, que será estendida até ao próximo dia 10 deste mês.

      Em relação a tornar o serviço permanente, o hospital assegurou que vai anunciar novidades mais tarde. A instalação hospitalar garantiu ainda que vai fornecer um comprovativo de vacinação em papel aos inoculados.

      Recorde-se que uma investigação científica conduzida recentemente pela MUST indicou que a vacina mRNA da germânica BioNTech, enquanto dose de reforço, produz mais anticorpos neutralizantes contra a variante Ómicron e suas subvariantes.

      Os residentes do interior da China, ao contrário de em Macau, têm acesso restringido a vacinas produzidas e desenvolvidas fora da China com diferente tecnologia de produção de vacina, sendo que maioria da população chinesa recebeu a vacina inactivada contra a Covid-19 do país, como a Sinopharm ou a Sinovac, por exemplo. Além disso, a China está a desenvolver duas vacinas domésticas mRNA, mas ainda estão em fase de ensaio clínico.

      A iniciativa do Hospital Universitário pode ser considerada como uma aposta no mercado de turistas do Continente, após a experiência bem-sucedida da vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) para visitantes chineses, uma vez que está apenas disponível a vacina que imuniza quatro tipos do HPV, enquanto que em Macau pode-se receber a vacina que imuniza contra nove tipos da doença.