Edição do dia

Segunda-feira, 27 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
27.9 ° C
31.5 °
26.9 °
94 %
6.2kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
28 °
Qua
25 °
Qui
26 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaTimor-Leste vira-se para a China se acordo com Austrália sobre Greater Sunrise...

      Timor-Leste vira-se para a China se acordo com Austrália sobre Greater Sunrise falhar

      O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, disse que o país vai procurar o apoio da China se a Austrália não apoiar o projeto de gasoduto que liga o Greater Sunrise à costa sul do país. “Timor-Leste consideraria de forma favorável uma parceria com investidores chineses se outros parceiros do desenvolvimento se recusarem a investir na recolha de gás através de um gasoduto para Timor-Leste”, disse Ramos-Horta ao jornal Guardian Australia.

      Nas declarações ao jornal australiano, o chefe de Estado explicou que se a Austrália e a Woodsie Energy não apoiarem o projeto de gasoduto entre os campos petrolíferos Greater Sunrise e a costa sul do arquipélago, considerado “um objetivo estratégico nacional”, Timor-Leste vai “absolutamente” procurar ajuda das empresas chinesas. “Timor-Leste ficaria à beira de um precipício financeiro se o Greater Sunrise não estiver operacional daqui a dez anos, por isso, muito em breve a liderança [de Timor-Leste] tem de tomar decisões… se for preciso, uma viagem à China”, disse o chefe de Estado ao jornal australiano.

      As declarações de Ramos-Horta surgem poucos depois de o jornal Australian Financial Review ter noticiado que a Woodside Energy, a gigante companhia petrolífera australiana, pretende processar o gás em Darwin, o que para Díli é inaceitável. Construir o gasoduto para a costa sul de Timor-Leste “é a única opção aceitável para o povo do país”, disse o ministro do Petróleo, Vitor da Conceição Soares, citado pelo jornal.

      O conjunto de campos de petróleo e gás conhecido como Greater Sunrise está a 150 quilómetros a sul de Timor-Leste, com um valor que pode ultrapassar os 70 mil milhões de dólares, sensivelmente o mesmo em euros, e tem causado alguma tensão entre Díli e Camberra. Os dois países têm um acordo assinado em 2019 sobre a delimitação marítima de Timor-Leste desde 2019, mas desde então o progresso tem sido lento, conclui o jornal.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau