Edição do dia

Quarta-feira, 5 de Outubro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
30.9 ° C
32.9 °
30.9 °
74 %
4.1kmh
20 %
Qua
31 °
Qui
29 °
Sex
29 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Taxista detido por fuga após danificar carregador para veículos eléctricos

      Taxista detido por fuga após danificar carregador para veículos eléctricos

      O Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) deteve um taxista por ter fugido após ter danificado a ficha de um carregador público para veículos eléctricos, avaliado em 9.800 patacas. O suspeito admitiu que não tinha posto o aparelho no local apropriado depois do uso e depois abalroou a ficha do carregador, acabando por sair do local sem avisar a CEM. Num outro caso detalhado ontem pelas autoridades policiais, uma residente terá perdido 300 mil patacas numa plataforma de investimento em ouro. A mulher queixou-se de que a culpa foi do namorado que conheceu na internet.

       

      Um taxista de 30 anos foi detido na semana passada na sequência de ter danificado um conector de carregador num lugar para carregamento de veículos eléctricos, situado na Travessa da Povoação de Sam Ka, na Taipa, e ter fugido após o incidente. A detenção foi anunciada ontem pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP), que explicou que o culpado será sujeito ao pagamento de uma indemnização de 9.800 patacas. O caso foi detalhado ontem na conferência de imprensa das autoridades policiais.

      A situação foi denunciada pela Companhia de Electricidade de Macau (CEM) no dia 20 do mês passado, originando uma investigação policial. Ao recorrer à videovigilância, o CPSP descobriu que o respectivo lugar para carregamento tinha servido um táxi por duas vezes com um intervalo de duas horas, dois dias antes da denúncia da situação. E, durante esse período, o posto de carregamento não foi utilizado noutras viaturas, segundo as autoridades.

      De acordo com o porta-voz do CPSP, a videovigilância mostrou ainda que, na segunda utilização do lugar para carregamento, o taxista tinha saído do veículo e verificado os aparelhos de carregamento, mas acabou por se afastar do local.

      Durante a investigação, ao CPSP, o residente admitiu ter causado o dano do conector de carregador, confessando que não tinha colocado a ficha no local apropriado após a primeira utilização e, quando voltou a estacionar o táxi no mesmo lugar, tinha abalroado sem querer o cabo e a ficha do carregador que estavam no chão.

      O indivíduo revelou às autoridades ainda que tinha saído do local logo após constatar que os aparelhos tinham sido danificados, sem avisar a CEM sobre o incidente.

      A CEM declarou um prejuízo de 9.800 patacas devido ao dano da ficha. O suspeito foi encaminhado para o Ministério Público, podendo enfrentar acusações de crime de fuga à responsabilidade, prevista na Lei do Trânsito Rodoviário.

      Num outro caso detalhado na conferência de imprensa de ontem das autoridades policiais, uma mulher apresentou uma queixa junto da Polícia Judiciária (PJ) por ter caído num esquema de investimento online, após ter conhecido um homem na internet e ficado apaixonado pelo mesmo. A residente de 30 anos terá perdido 300 mil patacas na suposta burla.

      Segundo as informações adiantadas na conferência de imprensa de ontem, o esquema em causa está relacionado com uma plataforma online de investimento no mercado internacional de ouro. Segundo o relato, a residente começou a investir nesta plataforma depois de lhe ter sido apresentada pelo namorado, que a mulher conheceu nas redes sociais no início de Junho.

      A jovem efectuou, durante dois meses, cinco transferências bancárias para cinco contas diferentes indicadas pelo namorado, no sentido de realizar o carregamento de 300 mil patacas na conta. Segundo a PJ, a residente tentou posteriormente levantar o dinheiro da conta, com sucesso, pelo que voltou a depositar o mesmo montante na plataforma.

      Todavia, na segunda tentativa de levantamento de dinheiro, o pessoal de atendimento ao cliente do site exigiu-lhe mais um carregamento para possibilitar a devolução do montante e, como o namorado deixou de estar contactável, a mulher decidiu pedir ajuda à polícia.

       

      PONTO FINAL