Edição do dia

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
26.6 ° C
26.6 °
26.6 °
84 %
1.4kmh
100 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Opinião A viagem de Pelosi à “linda ilha” é bastante provocadora

      A viagem de Pelosi à “linda ilha” é bastante provocadora

      A viagem da Presidente da Câmara dos Representantes do Congresso dos EUA Nancy Pelosi à “linda ilha” da China é um fogo posto político que se pode esperar que deixe as relações Sino-EUA desfiguradas por cicatrizes de queimaduras durante anos.

      Li um artigo ontem de manhã do antigo correspondente da CNN em Taipé, Mike Chinoy, na revista online Foreign Policy News sobre a controversa visita, com o título “O que pensa Nancy Pelosi que está a fazer em Taiwan”?

      Tal como Mike, também eu gostaria de saber a sua motivação. Pergunto-me se ela está consciente dos danos que a sua estadia em Taipé causará não só aos laços China-EUA, a relação mais consequente do mundo, mas também à governação global. Ou talvez ela simplesmente aceite os “danos colaterais” da sua viagem.

      Concordo com Mike, que me entrevistou algumas vezes sobre Macau nos anos 90, que a “viagem arriscada … é uma oportunidade de fotografia para permitir a Pelosi espicaçar Pequim como fez no passado”.

      Sem dúvida, a visita é provocadora.

      A democrata de 82 anos de idade é uma pessoa com alguma bagagem nestas andanças, ao contrário do Vice-Presidente do Parlamento Europeu Nicola Beer que, num aparente ‘folie de grandeur’ descreveu a sua visita a Taiwan no mês passado como uma “espécie de dissuasão” a Pequim. Pelosi, conhecida por uma inclinação para a grandeza, é um peso pesado na política dos EUA, ocupando o terceiro lugar na hierarquia estatal atrás do Presidente Joe Biden e da Vice-Presidente Kamala Harris.

      Quando o republicano Newt Gingrich visitou Taiwan na sua qualidade de Presidente da Câmara em 1997, representou a oposição, uma vez que o democrata Bill Clinton ocupou a Casa Branca. Desta vez, tanto o Presidente da Câmara como o Presidente dos EUA são democratas. Biden tentou ao menos dissuadir Pelosi de participar na excursão a Taiwan? Talvez nunca o saibamos.

      Biden foi avisado com bastante antecedência pelo Presidente Xi Jinping na semana passada. De acordo com a Xinhua, Xi avisou os EUA contra “brincar com o fogo” sobre Taiwan. Bem, Biden ignorou alegremente o aviso ou foi incapaz de impedir Pelosi de “brincar com o fogo”.

      O ponto alto é que Pelosi se tornou numa formiga de fogo política. Não consigo imaginar que uma política tão hábil como ela não se tenha apercebido do impacto “ardente” que a sua viagem a Taiwan teria.

      Visitei a ilha cerca de meia dúzia de vezes nas últimas décadas. Gostei da sua comida, das suas pessoas e da sua paisagem. Os marinheiros portugueses chamavam a Taiwan “Ilha Formosa” – “bela ilha”. A sua descrição acertou em cheio. O nome chinês da ilha pode ser traduzido como “baía alta e plana”.

      Sempre reparei durante as minhas visitas à ilha como é profundamente chinesa em termos de cultura, língua, tradições e costumes, crença popular e, por último mas não menos importante, as suas delícias culinárias.

      Mazu é uma divindade transversal particularmente venerada em Taiwan, Fujian e Macau.

      O Ministro dos Negócios Estrangeiros Wang Yi comentou ontem que “a quebra de confiança dos EUA na questão de Taiwan é desprezível”. Os seus comentários são compreensíveis, considerando os três comunicados conjuntos assinados por Pequim e Washington entre 1972 e 1982 nos quais os EUA reconheceram formalmente que Taiwan pertence à República Popular da China (RPC).

      Concordo com Mike que os 23 milhões de pessoas de Taiwan terão de enfrentar as consequências da loucura de Pelosi.

      É uma pena que a relação Sino-EUA tenha chegado ao seu novo nadir – a última coisa que o mundo precisa enquanto enfrenta uma crise económica, o conflito na Ucrânia, sanções comerciais e alterações climáticas.

      Suponho que a viagem imprudente de Pelosi faça parte da onda de histeria anti-China que está a varrer o Ocidente. A sinofobia tornou-se uma obsessão entre certos políticos ocidentais e tem, receio eu, conotações racistas – subliminares ou inadvertidas, no melhor dos cenários. Acusar “os chineses” de “roubar” e “enganar” é uma lembrança assustadora do que aconteceu aos nossos amigos judeus e negros num passado não muito distante.

      Uma vez assentada a poeira, as relações China-EUA precisam de um reinício – o mundo inteiro beneficiaria com isso. Para que isto seja possível, os EUA e os seus aliados têm de aceitar de uma vez por todas que Taiwan é um assunto interno da China. Essa é a linha vermelha que não deve ser ultrapassada. Ponto final.

      O histórico aperto de mão entre Xi e o então líder de Taiwan, Ma Ying-jeou, em Singapura, a 7 de Novembro de 2015, provou que, sem interferência externa, é possível o desanuviamento entre os dois lados do Estreito.

       

      Harald Brüning

      Director do Macau Post Daily

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau