Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
26.3 ° C
27.6 °
25.9 °
94 %
2.1kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
27 °
Sex
27 °
Sáb
27 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaNancy Pelosi começa digressão pela Ásia a falar sobre Taiwan com PM...

      Nancy Pelosi começa digressão pela Ásia a falar sobre Taiwan com PM de Singapura

       

      A líder do Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosy, iniciou ontem em Singapura, uma digressão pela Ásia, marcada pela questão de saber se incluirá uma controversa visita a Taiwan, cuja soberania é reivindicada por Pequim.

       

      Nancy Pelosi já abordou, entretanto, a questão com o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, durante uma reunião realizada ontem de manhã.

      De acordo com um comunicado divulgado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros de Singapura, Pelosi e Lee Hsien Loong “trocaram opiniões sobre as respetivas posições” em algumas questões-chave regionais e internacionais.

      A conversa abordou “as relações com o estreito (da Formosa)”, ou seja, entre a República Popular da China e Taiwan, a ilha democrática autónoma que Pequim considera parte do seu território e que não descarta invadir, apesar de Washington manter uma posição ambígua sobre isso.

      Pelosi estará em Singapura também nesta terça-feira, viajando depois para a Malásia, Coreia do Sul e Japão, segundo a Casa Branca, que se escusou a confirmar, por razões de segurança, se a delegação irá também a Taiwan. A confirmar-se, a visita de Pelosi a Taiwan será a primeira de um presidente da câmara dos representantes dos EUA desde 1997, quando o republicano Newt Gingrich foi àquela ilha.

      O Governo chinês deixou claro que essa viagem será entendida como uma ameaça, tendo o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, avisado que o gigante asiático “responderá com firmeza” ao que considera uma provocação e que os EUA terão de “assumir todas as consequências” decorrentes.

      Além de Taiwan, Pelosi e Lee Hsien Loong discutiram a guerra na Ucrânia, uma das questões que mais atritos provocam entre a China e os Estados Unidos, além das alterações climáticas no cenário internacional.

      O primeiro-ministro de Singapura, país que se assume como equidistante entre a China e os Estados Unidos – fortes parceiros económico e de segurança, respetivamente – salientou a importância de “uma relação estável entre a China e os EUA para a paz e a segurança regional”. Lee também saudou o “forte compromisso” com a região expresso pela delegação dos EUA, face à crescente influência da China na zona, e os dois discutiram formas de aprofundar a influência económica norte-americana através de iniciativas como a do Indo-Pacific Economic Framework (IPEF).

      Lançado em Maio passado, o IPEF é um novo esquema de cooperação regional que visa promover o comércio e o investimento entre os EUA e uma dezena de países da região, reunindo países que integram o grupo Quad (EUA, Japão, Índia e Austrália) e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

      O primeiro-ministro de Singapura reafirmou “a colaboração profunda e multifacetada” entre o seu país e os Estados Unidos, sustentada por “uma cooperação robusta nas áreas da defesa, segurança e economia”, adianta o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Singapura.

      Pelosi, que viaja acompanhada de cinco congressistas, incluindo o chefe do Comité de Negócios Estrangeiros da câmara dos representantes, Gregory Meeks, também se encontrou com o vice-primeiro-ministro da ilha, Lawrence Wong, com o ministro da Segurança Nacional, Two Chee Hean, e com o ministro das Políticas Sociais, Tharman Shanmugaratnam. A democrata falou ainda, por telefone, com o Presidente de Singapura, Halimah Yacob.

       

      CHINA ESCUSA-SE A DIZER QUE RESPOSTA DARÁ CASO NANCY PELOSI VISITE TAIWAN

       

      O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China escusou-se ontem a especificar a resposta que será dada se a líder do Congresso dos EUA, Nancy Pelosi, visitar Taiwan, referindo apenas que será prejudicial. “Vamos esperar para ver”, afirmou Zhao Lijian, citado pela imprensa local. O porta-voz explicou que o estatuto de Pelosi como “terceira pessoa mais importante do governo dos Estados Unidos” torna a sua potencial viagem a Taiwan numa situação “muito delicada”. Se a viagem se confirmar, não importa “como nem quando”, irá “violar seriamente o ‘princípio de uma só China’”, disse Zhao, acrescentando que a visita terá “um impacto político negativo”. Como alertou em intervenções recentes, o porta-voz insistiu que a China tomará “medidas firmes” para “defender a sua soberania e integridade”. Desde que a imprensa norte-americana avançou a possibilidade da viagem à Ásia de Pelosi passar por Taiwan, tanto representantes militares como civis chineses têm alertado para as possíveis consequências da visita da responsável norte-americana. Na semana passada, o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Tan Kefei, garantiu que o exército chinês “não ficará de braços cruzados” se a visita acontecer e pediu que o país norte-americano respeite “a sua promessa de que não apoiará a independência de Taiwan”. O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês também sublinhou que os EUA terão de “assumir todas as consequências que surgirem” da viagem. Durante uma conversa por telefone realizada na semana passada, o Presidente chinês, Xi Jinping, pediu ao seu homólogo norte-americano, Joe Biden, “para não brincar com o fogo”.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau