Edição do dia

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
26.6 ° C
26.6 °
26.6 °
84 %
1.4kmh
100 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Política Guarnição em Macau promete defesa da segurança nacional e estabilidade da RAEM...

      Guarnição em Macau promete defesa da segurança nacional e estabilidade da RAEM com reforço militar

      A guarnição chinesa estacionada no território garantiu a adesão às orientações do Governo Central sobre a salvaguarda da segurança nacional e a manutenção da prosperidade e estabilidade da RAEM. Ao comemorar o 95.º aniversário do Estabelecimento do Exército de Libertação do Povo Chinês, a Guarnição em Macau destacou o aumento da capacidade de defesa dos interesses nacionais para se tornar “uma guarda confiante dos compatriotas de Macau”.

       

      Por ocasião das celebrações do 95.º aniversário do Estabelecimento do Exército de Libertação do Povo Chinês, a Guarnição militar em Macau reiterou o seu princípio de salvaguarda da segurança nacional e de Macau, salientando que, desde o seu estacionamento no território que se tem empenhado em forjar um exército forte com vista à manutenção da prosperidade e estabilidade a longo prazo da RAEM.

      Comemorou-se ontem o dia de criação do Exército de Libertação na China. Num comunicado publicado pelo canal em língua chinesa da Rádio Macau, o comandante da Guarnição de Macau, Xu Liangcai, e o Comissário político, Sun Wenju, manifestaram os seus agradecimentos e respeito aos residentes de Macau pela “atenção e apoio ao desenvolvimento da guarnição”.

      De acordo com a mensagem, os responsáveis garantiram que, após o respectivo estabelecimento em 20 de Dezembro de 1999, dia em que coincidiu com a data da transferência de soberania do território para a China, a Guarnição militar de Macau insiste na implementação do princípio de ‘Um País, Dois Sistemas’, bem como a Lei Básica da RAEM e a Lei do Estacionamento de Tropas, de forma a assegurar a defesa da segurança nacional e a estabilidade social da RAEM.

      “Desde a chegada a Macau, a Guarnição militar de Macau tem executado resolutamente as decisões e organizações tomadas pelo Governo Central e pela Comissão Militar Central, tendo sempre em mente a confiança concedida pelo Partido e do povo”, pode ler-se no comunicado.

      Destacando as duas inspecções das tropas realizadas pelo Presidente Xi Jinping após a sua tomada de posse como Secretário Geral do Partido Comunista da China anunciada no 18.º Congresso Nacional em 2012, a Guarnição militar de Macau assumiu ter seguido as suas “importantes instruções” para fazer progressos abrangentes no desenvolvimento das tropas, “aumentando amplamente a capacidade da defesa da segurança nacional, tornando-se numa guarda leal na qual o Partido e o povo se podem encarregar e os compatriotas de Macau podem confiar”, acrescentou.

      Citado pelo comunicado, o exército popular aderiu ao pensamento de Xi Jinping sobre a importância de reforço militar por meio da implementação das novas estratégias militares, reforma das forças armadas e optimização abrangente da capacidade estratégica de defender a soberania, a segurança e os interesses do país.

      A guarnição chinesa estacionada em Macau frisou que tem partilhado “o destino e o coração com os compatriotas de Macau”, testemunhando conjuntamente a prática bem-sucedida do princípio de ‘Um País, Dois Sistemas’ com características de Macau.

      Referindo o discurso proferido por Xi Jinping na recente cerimónia de tomada de posse do novo Governo de Hong Kong no qual o líder chinês “apontou o caminho para a prosperidade e a estabilidade das RAE”, a Guarnição militar em Macau disse acreditar que, com o pleno apoio do Governo Central, Macau será capaz de ultrapassar todas as dificuldades no futuro, sendo que as tropas vão continuar a acompanhar e apoiar os residentes de Macau, contribuindo para uma sociedade próspera e estável.

      Recorde-se que o Presidente Xi Jinping assinalou no mencionado discurso que salvaguardar a soberania nacional, a segurança e os interesses de desenvolvimento do país é o princípio mais alto de ‘Um País, Dois Sistemas”, pelo que os residentes das RAE devem respeitar e defender conscientemente o sistema fundamental do país, sendo que o poder pleno da governação sobre as regiões é a fonte de um elevado grau de autonomia.

       

      PONTO FINAL