Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nevoeiro
24 ° C
24.9 °
23.9 °
100 %
2.6kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
26 °
Sex
27 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaCidade da China canaliza 11 milhões para novo centro de exposições em...

      Cidade da China canaliza 11 milhões para novo centro de exposições em Luanda

      O grupo African Sunrise, do empresário chinês Jack Huang, vai investir 5 mil milhões de kwanzas (11 milhões de euros) num novo centro de exposições na Cidade da China, em Luanda. A primeira pedra do centro de exposições, um edifício de três pisos com supermercados, lojas e um salão de exposições, numa área total de construção com 24.000 metros quadrados, que vai criar 300 empregos diretos e mais mil indirectos, foi lançada no domingo. Jack Huang sublinhou, na altura, que a Cidade da China soube garantir os empregos durante a pandemia e acrescentou que o centro de exposições vai tornar-se um novo destaque da cooperação económica e comercial China-Angola, no mundo pós-epidémico.

      O presidente da Câmara de Comércio Angola-China, Luís Cupenala, também presente na cerimónia, falou sobre os investimentos do grupo African Sunrise – 200 milhões de dólares na Cidade da China, um centro comercial com 400 lojas, ao qual se juntam mais 5 mil milhões de kwanzas no Kikolo Shopping -, salientando que a mobilização de investimento privado estrangeiro para o país está alinhado com as práticas e estratégias do Plano Nacional de Desenvolvimento.

      O presidente da Associação Geral de Chineses Residentes em Angola sublinhou, por seu lado, que o novo projeto vai atender às necessidades de consumo do mercado angolano cujas perspetivas são “muito promissoras”. “Os compatriotas chineses em Angola devem levar adiante as suas excelentes virtudes tradicionais, trabalhar com o povo angolano para construir uma comunidade de futuro partilhado para a humanidade”, referiu ainda Pei Wenhua. Defendeu, por outro lado, que as empresas com financiamento chinês em Angola “deveriam reforçar a integração dos trabalhadores chineses e angolanos”.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau