Edição do dia

Sábado, 1 de Outubro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26.9 ° C
26.9 °
24.9 °
89 %
3.6kmh
20 %
Sex
27 °
Sáb
29 °
Dom
29 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Internacional Europa apoia interdição a importações de ouro russo, incluindo joias

      Europa apoia interdição a importações de ouro russo, incluindo joias

      Os chefes da diplomacia da União Europeia (UE) deram ontem apoio político à proibição de importações de ouro russo, incluindo joias, devido à guerra da Ucrânia, anunciou o ministro português da tutela, João Gomes Cravinho. “Pudemos confirmar um apoio por parte de todos os Estados-membros em relação ao novo pacote de sanções, incluindo [uma proibição à importação] de ouro”, anunciou João Gomes Cravinho, falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas à margem do Conselho de Negócios Estrangeiros. Dias depois de a Comissão Europeia ter proposto uma interdição ao ouro russo, o chefe da diplomacia portuguesa defendeu que “não há razão nenhuma para se estar a importar ouro da Rússia”. Além disso, houve um “consenso à inclusão de joias” nesta proibição, afirmou, acrescentando que “não há razão” para excluir a joalharia do alcance das sanções. Neste pacote de sanções europeias à Rússia, visto como uma atualização do sexto conjunto de medidas restritivas, “incluiu-se o ouro, mas também se fecharam alguns mecanismos de circunvenção das sanções”, adiantou João Gomes Cravinho.

      Em meados de Junho, o grupo dos sete países mais industrializados do mundo (G7) reforçou a condenação da Rússia pela invasão da Ucrânia e as sanções contra Moscovo. Na altura, o G7 decidiu proibir o comércio de ouro russo, mas não incluiu as joias, que estão abrangidas pelas sanções europeias. O ouro é um dos produtos mais exportados pela Rússia, com as exportações a valerem cerca de 15 mil milhões de dólares (quase o mesmo em euros) para a economia russa em 2021. Na passada sexta-feira, a Comissão Europeia propôs uma proibição, na UE, às importações de ouro russo e um reforço dos controlos às exportações de tecnologia avançada, medidas que visam um “alinhamento das sanções” europeias com as internacionais.

      Desde Fevereiro passado, mês em que Moscovo lançou a invasão da Ucrânia, a UE já adoptou seis pacotes de sanções, sendo que os dois últimos abrangeram o setor energético – um embargo ao carvão russo, no quinto, e uma proibição parcial às importações de petróleo russo, no sexto. Entre as sanções adoptadas nos últimos meses, destaca-se também o congelamento das reservas do Banco Central russo na UE e a exclusão de várias entidades russas do sistema Swift para transações financeiras. Já a lista de sanções da UE dirigida à Rússia, aberta na sequência da anexação da Crimeia em 2014, tem aumentado consideravelmente nos últimos meses, e conta atualmente com 1.090 pessoas, incluindo o Presidente russo, Vladimir Putin, e 80 entidades.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau