Edição do dia

Terça-feira, 21 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nevoeiro
25.6 ° C
25.9 °
24.8 °
89 %
4.1kmh
40 %
Ter
26 °
Qua
25 °
Qui
25 °
Sex
26 °
Sáb
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeElla Lei alerta sobre lacunas encontradas nos hotéis de isolamento e zonas...

      Ella Lei alerta sobre lacunas encontradas nos hotéis de isolamento e zonas vermelhas

      A actual ronda do surto acumulou mais de 1.700 casos confirmados desde 18 de Junho, e mais de 20 mil indivíduos foram submetidos a um acompanhamento no âmbito da investigação epidemiológica. A deputada Ella Lei defende que, devido à alta transmissibilidade da Covid-19, as autoridades devem colmatar lacunas susceptíveis encontradas nos hotéis de isolamento e zonas vermelhas.

       

      Num comunicado envidado às redacções pela Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM), a deputada Ella Lei lembrou que o Governo começou na semana passada a adoptar uma gestão relativamente estática da comunidade, o que diminuiu o número de casos confirmados. No entanto, existem ainda alguns residentes que referiram que algumas das disposições preventivas precisam de ser melhoradas, frisando que, devido à alta transmissibilidade do coronavírus, as autoridades devem levar o problema a sério e colmatar as lacunas existentes.

      A parlamentar ligada à FAOM apontou que, desde o começo do surto, muitos residentes foram atribuídos com códigos vermelhos ou amarelos, ou foram colocados em observação médica devido ao seu contacto próximo ou aos mesmos itinerários com casos positivos. Ella Lei observou alguma melhoria promovida pelas autoridades em termos das medidas de quarentena ou isolamento profilático, porém, devido ao aumento acentuado de casos confirmados num curto período de tempo na actual ronda do surto, existe a necessidade de organizar observação médica para milhares de residentes, enquanto o número de sítios listados como áreas de código vermelho e amarelo continua a acrescentar, pelo que ainda existem vários problemas ou disposições inadequadas, levando a deputada a pedir ao Executivo que tome mais atenção em matéria de gestão nas áreas de alto risco.

      Ella Lei destacou os problemas relatados relativamente aos estabelecimentos hoteleiros destinados a observação médica. Recordou que, em Agosto do ano passado, vários guardas da segurança foram diagnosticados com Covid-19 e detectados alguns casos confirmados por transmissão comunitária, levando o Governo a adoptar uma abordagem de gestão em circuito fechado, elaborando orientações a serem fiscalizadas pela Direcção dos Serviços de Turismo.

      A deputada acredita que a maioria das pessoas cumpre e coopera com a exigência de prevenção e de controlo da epidemia, adiantando que, no entanto, alguns moradores foram suspeitos de violar as medidas antiepidémicas durante o período de observação médica. Também existem funcionários de hotéis de observação médica que foram afectados, causando uma situação “preocupante”, considera Ella Lei.

      Para Ella Lei, a fim de evitar a recorrência de um surto epidémico dentro do circuito fechado, o que é prejudicial para o trabalho de prevenção da epidemia, as autoridades têm a responsabilidade de tomar a iniciativa de fiscalizar a execução em hotéis, reforçar o mecanismo de monitorização e detectar precocemente se existem irregularidades, conduzindo uma revisão abrangente das orientações de gestão, de modo a colmatar as lacunas na prevenção de epidemias o mais rapidamente possível.

      No entanto, muitos moradores das áreas de código vermelho relataram que os seus prédios continuaram a ter novos casos e, como os testes de ácido nucleico só foram realizados no primeiro e quinto dias, novos casos podem ter surgido novamente poucos dias antes de o encerramento ser levantado, fazendo com que esse período fosse prolongado. Face a este cenário, os residentes estão desapontados e não sabem qual é o problema, estando preocupados que as áreas comuns, como a rede de drenagem, se tornem num canal de propagação do vírus, havendo mesmo acusações de que alguns moradores saíram do domicílio. “É difícil prever quando é que o encerramento será levantado mesmo depois de uma espera prolongada, mas as autoridades raramente esclareceram ou explicaram as razões, o que deixa os residentes muito preocupados”, indicou a deputada eleita pela via directa.

      A vice-presidente da FAOM espera que as autoridades melhorem o mecanismo e a divulgação de informação, acompanhem e investiguem activamente se existe algum risco de transmissão ambiental no edifício ou entre edifícios adjacentes, optimizem as providências e fortaleçam o monitoramento para proteger a saúde dos moradores e do pessoal da assistência, evitando o prolongamento de confinamento das zonas devido ao ambiente precário, o que pode afectar seriamente a vida dos moradores e aumentar a pressão sobre o pessoal de assistência.

       

      PONTO FINAL