Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.8 ° C
25.9 °
25.4 °
94 %
4.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaDeputada pede mais atenção aos investimentos no Banco Comercial Internacional da...

      Deputada pede mais atenção aos investimentos no Banco Comercial Internacional da Grande Baía

      A criação do referido banco, lembra Wong Kit Cheng, “vai contribuir para apoiar o desenvolvimento da construção da Grande Baía e da inovação tecnológica”. Ao mesmo tempo, a indústria de serviços financeiros modernos passou a ser uma das quatro indústrias emergentes no desenvolvimento do território, considera a deputada-enfermeira.

      A deputada da Assembleia Legislativa (AL) Wong Kit Cheng interpelou o Governo liderado por Ho Iat Seng pedindo para o Executivo prestar mais atenção aos investimentos de Macau no Banco Comercial Internacional da Grande Baia.

      Na sequência da divulgação do plano geral para a construção da zona de cooperação aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin e do Segundo Plano Quinquenal de Macau, a indústria de serviços financeiros modernos passou a ser uma das quatro indústrias emergentes no desenvolvimento do território, considera a deputada-enfermeira.

      No entanto, sublinha, em Macau, “as limitações à mobilidade de talentos e capitais impedem o desenvolvimento da referida indústria, por isso, temos um tema de futuro muito importante”. “Como se deve aproveitar a cooperação inter-regional para acelerar o desenvolvimento da indústria de serviços financeiros modernos?”, deixa a pergunta no ar.

      Wong Kit Cheng lembra que, no orçamento para o ano de 2022, o Governo propõe a injecção de dois mil milhões de patacas na “Macau Investimento e Desenvolvimento S.A.” para, recorrendo a esta sociedade, participar na constituição do Banco Comercial Internacional da Grande Baía”. “A criação do referido banco vai contribuir para apoiar o desenvolvimento da construção da Grande Baía e da inovação tecnológica. Os governos da província de Guangdong, Hong Kong e Macau cooperam na criação do referido banco com um capital que ascende a 20 mil milhões de renminbis, e 10% deste capital é assumido por Macau. O sector financeiro e a sociedade depositam grandes expectativas na criação deste banco”, acrescenta a parlamentar, igualmente vice-presidente da Associação Geral das Mulheres de Macau.

      A deputada sublinhou que já se passaram três anos desde o lançamento da proposta e questiona qual é o ponto de situação do plano de investimento”. “Em 2019, o interior da China propôs, pela primeira vez, a criação do referido Banco Comercial Internacional e, em 2022, vai ser efectivamente investido o respectivo capital, segundo o orçamento proposto”, notou.

      De igual modo, Wong Kit Cheng pretende saber qual o papel que o referido banco vai desempenhar no desenvolvimento da indústria de serviços financeiros modernos de Macau. “Por exemplo, no respeitante ao desenvolvimento do mercado de títulos, aos serviços financeiros ‘verdes’, à gestão de fortunas, à locação financeira, e ainda no respeitante ao desenvolvimento da plataforma de serviços financeiros para a cooperação comercial entre a China e dos Países de Língua Portuguesa e do Centro de Liquidação em Renminbi”, no âmbito da cooperação financeira entre Guangdong, Hong Kong e Macau.

      A deputada ainda deixa no ar dúvidas quanto à forma de funcionamento do banco. “Segundo um parecer da 2.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa, a Macau Investimento e Desenvolvimento, S.A. responsabiliza-se pela realização do capital e pela prestação de colaboração no âmbito dos trabalhos de criação do referido banco, e o funcionamento do futuro do banco será orientado pelo mercado”, referiu, procurando ainda saber como será possível salvaguardar a utilização eficaz dos recursos aplicados no referido investimento”.

      PONTO FINAL