Edição do dia

Domingo, 19 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26 ° C
26.9 °
25.9 °
73 %
6.7kmh
20 %
Sáb
25 °
Dom
24 °
Seg
24 °
Ter
26 °
Qua
24 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaPreços no mercado imobiliário podem cair 20% até ao final do ano

      Preços no mercado imobiliário podem cair 20% até ao final do ano

      O recente surto, a crise económica e a subida das taxas de juro está a colocar pressão no mercado imobiliário e o preço dos imóveis poderá cair cerca de 20% até ao final do ano, considera Ho Sio Hang, director-geral da agência imobiliária Centaline. Segundo o empresário, a saída de trabalhadores não residentes também está a prejudicar o mercado de arrendamento.

      Com o número de casos de Covid-19 a subir em Macau, o que vai provocar um impacto ainda maior na economia, o sector imobiliário está a sentir cada vez mais pressão. Ao jornal Ou Mun, Ho Sio Hang, director da agência imobiliária Centaline, afirmou que o preço dos imóveis pode vir a cair 20% até ao final deste ano, uma vez que se espera um aumento das taxas de juro.

      Ho Sio Hang afirmou que o mercado imobiliário está a enfrentar uma “pressão crescente”, especialmente devido à indústria do jogo e actividades relacionadas, com o encerramento sucessivo de salas de jogo VIP, que está a fazer crescer a taxa de desemprego, adicionando a pressão dos pagamentos de hipotecas que continua a aumentar.

      O empresário assinalou que alguns residentes não são capazes de efectuar os pagamentos das hipotecas e têm de vender as suas propriedades a preços reduzidos, o que está a fazer aumentar o número de casos de venda obrigatória.

      A procura de imóveis para alugar por parte de jogadores de outras zonas também diminuiu significativamente sob a epidemia, resultando numa pressão significativa nos preços dos imóveis. O director-geral da Centaline diz esperar que o mercado imobiliário permaneça sob pressão no segundo semestre do ano, uma vez que o ambiente empresarial em Macau não melhora.

      Na sequência deste novo surto, os proprietários estão a evitar contactos desnecessários e não abrem a porta de casa aos interessados, o que também terá impacto nas transacções, segundo Ho Sio Hang. Se a epidemia durar muito tempo, as transacções residenciais nos próximos dois meses podem atingir um novo mínimo mensal.

      O responsável lembra que as taxas de juro podem vir a subir em Macau e alerta que isso poderá levar os proprietários que possuem mais do que uma propriedade pretendam vender os imóveis para reduzir os encargos. “Creio que no segundo semestre do ano ainda vamos enfrentar uma maior pressão de venda, os proprietários que estão interessados em receber dinheiro precisam de reduzir os preços para que isso aconteça, e espera-se que os preços das propriedades caiam até 20% até ao final do ano”, reiterou.

      Por isso, Ho Sio Hang sugere que o Governo ajuste as medidas de controlo do mercado imobiliário em resposta a esta crise, considerando até que as autoridades deviam considerar a reintrodução de uma bonificação de juros a 4% para a habitação, “de modo a que aqueles que a podem pagar possam melhorar a sua vida, revitalizar o mercado imobiliário e impulsionar a procura interna”.

      Outro factor que está a impactar o mercado do imobiliário é a saída de trabalhadores não residentes. O Governo tem estado a reduzir o número de trabalhadores não residentes, “o que está a colocar pressão sobre os arrendamentos”. O promotor imobiliário diz que o total das rendas caiu 30% em comparação com o período pré-pandemia, e em zonas junto a casinos diminuiu mesmo 60% em comparação com 2019.