Edição do dia

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26.9 ° C
27.1 °
25.9 °
89 %
2.6kmh
20 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Lusofonia Lisboa desce para 109.ª cidade mais cara do mundo quanto ao custo...

      Lisboa desce para 109.ª cidade mais cara do mundo quanto ao custo de vida para expatriados

      Lisboa é a 109.ª cidade mais cara do mundo em termos de custo de vida para expatriados, descendo 26 posições em relação a 2021, num ‘ranking’ liderado por Hong Kong, na China, segundo o estudo da Mercer ontem divulgado.

      “Considerando apenas o continente europeu, Lisboa é a 36.ª cidade mais cara para expatriados”, conclui o estudo “Custo de Vida 2022”, lançado pela consultora Mercer, que inclui 227 cidades do mundo onde vivem trabalhadores expatriados, verificando que os padrões de mobilidade internacional dos colaboradores estão a evoluir como resultado da taxa de câmbio e de inflação e do aumento do trabalho remoto e flexível.

      O estudo foi realizado a partir da análise conjunta do custo comparativo de mais de 200 itens em cada local, incluindo habitação, transporte, alimentação, vestuário, produtos domésticos e entretenimento, e que utiliza Nova Iorque como cidade-base para todas as comparações, inclusive os movimentos monetários são medidos em relação ao dólar norte-americano.

      No ‘ranking’ global, Hong Kong volta a ser a cidade mais cara do mundo para expatriados, posição que mantinha há anos consecutivos, mas que em 2021 perdeu para Ashgabat, no Turquemenistão, passando a ocupar o segundo lugar.

      De acordo com o estudo “Custo de Vida 2022”, as cidades suíças de Zurique (2.º), Genebra (3.º), Basileia (4.º) e Berna (5.º) completam as cinco primeiras localizações mais caras do mundo para expatriados.

      No continente europeu, além das quatro cidades da Suíça, o ‘ranking’ é liderado por capitais de países, nomeadamente Copenhaga (Dinamarca), que a nível global surge em 11.º lugar, Londres (Reino Unido, 15.º), Viena (Áustria, 21.º), Amesterdão (Holanda, 25.º) e Oslo (Noruega, 27.º). No ‘top-10’ das cidades europeias mais caras para expatriados está ainda a cidade alemã de Munique, que surge em 33.ª posição no ‘ranking’ global.

      Lisboa, a única cidade portuguesa a integrar o estudo, desceu 26 posições no ‘ranking’ global, passando a ser a 109.ª cidade mais cara do mundo em termos de custo de vida para expatriados e a 36.ª a nível europeu, ficando abaixo do meio da tabela das 57 cidades europeias, atrás de cidades como Madrid (90.º lugar a nível mundial) ou Barcelona (78.º).

      Relativamente à Europa de Leste, a cidade mais cara é Praga (Chéquia), que ocupa o 60.º lugar entre 227 cidades, seguindo-se Riga (Letónia, 79.º), Bratislava (Eslováquia, 105.º) e Tallinn (Estónia, 140.º), refere o estudo, indicando que a mais barata é Sarajevo, na Bósnia-Herzegovina, classificada em 209.º lugar a nível mundial e no fim da tabela das cidades europeias. “O aumento do trabalho remoto e flexível, a guerra na Ucrânia, as variações cambiais e a inflação generalizada estão a ter um impacto material na compensação dos colaboradores, o que pode ter consequências graves para as empresas na batalha global pelo talento”, aponta o estudo “Custo de Vida 2022”.

      Tiago Borges, ‘business leader de career’ da Mercer, citado num comunicado sobre o estudo, afirma que “a volatilidade desencadeada pela covid-19 e agravada pela crise na Ucrânia tem alimentado a incerteza económica e política global”, situação que se reflete “com o aumento significativo da inflação na maioria dos países em todo o mundo”, o que preocupa os expatriados quanto ao seu poder de compra e estabilidade socioeconómica.

      “Tanto a inflação como as flutuações das taxas de câmbio influenciam diretamente o poder de compra dos colaboradores a trabalhar fora do país de origem”, explica Tiago Borges, referindo que o aumento do trabalho remoto e flexível levou também muitos colaboradores a reconsiderarem as suas prioridades, o equilíbrio entre a vida profissional e familiar e a escolha do local de residência.

      Os dados apresentados no estudo da Mercer, além de demonstrarem que “as condições de trabalho e económicas em todo o mundo estão a evoluir mais rapidamente do que antes”, permitem às empresas avaliarem os custos de contratos internacionais em tempos de incerteza. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau