Edição do dia

Quinta-feira, 23 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
25.8 ° C
25.9 °
24.9 °
89 %
3.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaProdução industrial chinesa recupera 0,7% em Maio

      Produção industrial chinesa recupera 0,7% em Maio

      A produção industrial da China cresceu 0,7%, em Maio, em termos homólogos, segundo dados oficiais ontem divulgados, após a queda registada em Abril devido às medidas de prevenção epidémica implementadas no país.

      A expansão da produção industrial, um importante indicador da segunda maior economia mundial, surpreendeu os analistas, que projetavam uma nova queda, em torno de 0,7%, o que já significaria uma melhoria face a Abril (-2,9%), o pior desempenho desde o primeiro trimestre de 2020, quando a China enfrentou o surto original do novo coronavírus. Em Maio, a produção industrial chinesa cresceu 5,61%, em relação a Abril, enquanto naquele mês registou uma contração de 7,08%, em relação a Março.

      De acordo com a divisão por grandes segmentos industriais, o sector da extracção continuou a crescer a um ritmo acelerado (+7%), enquanto a produção e fornecimento de electricidade, aquecimento, gás e água moderou o seu crescimento para 0,2%.

      A grande diferença em Maio foi que o sector manufactureiro, forçado a reduzir a produção em 4,6%, em termos homólogos, em Abril, devido às restrições, voltou a território positivo, aumentando 0,1%.

      Tommy Wu, analista da consultora Oxford Economics, acredita que “o pior dos bloqueios já passou” e que a estabilização do crescimento económico em Maio vai permitir uma recuperação “ainda mais visível”. O especialista prevê uma recuperação da atividade na segunda metade do ano, sobretudo se as políticas de estímulo permitirem uma recuperação do consumo doméstico, embora alerte que é pouco provável que as famílias comecem a gastar, enquanto Pequim mantiver a estratégia de ‘zero casos’ de covid-19. Esta política requer a imposição de bloqueios em distritos ou cidades inteiras, criando incerteza para os negócios.

      As vendas no comércio a retalho – um indicador chave do consumo – caíram, em Maio, 6,7%, em termos homólogos. No conjunto do ano, aquele indicador registou uma contração de 1,5%. A taxa oficial de desemprego nas áreas urbanas caiu 0,2%, em relação a Abril, fixando-se em 5,9%, acima da meta de 5,5% estabelecida por Pequim.

      Estes dois factores, apontou Wu, confirmam que o fraco consumo está diretamente relacionado com o receio dos consumidores, criadas pelo ressurgimento de surtos de covid-19.

      Sobre o investimento em ativos fixos, o GNE não divulgou ontem a evolução homóloga dos dados de Maio, mas divulgou a intermensal (+0,72%) e o acumulado até ao momento este ano, que passou de 6,8%, em Abril, para 6,2%, em Maio. Em comunicado, o GNE assegurou que a economia nacional “mostrou um bom momento de recuperação” em maio, mês em que “superou gradualmente os efeitos negativos” da covid-19, embora tenha alertado que o ambiente internacional “é ainda mais complicado e preocupante”. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau