Edição do dia

Terça-feira, 9 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
27.9 ° C
27.9 °
26.9 °
83 %
5.1kmh
20 %
Seg
28 °
Ter
28 °
Qua
29 °
Qui
28 °
Sex
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Lusofonia Timor-Leste “já não tem café que chegue” para a procura, diz empresário...

      Timor-Leste “já não tem café que chegue” para a procura, diz empresário de Macau

      Timor-Leste “já não tem café que chegue” para a crescente procura, nomeadamente na China continental, disse um empresário de Macau, que importa grãos de café do país desde a restauração da independência, há 20 anos.

       

      “Tenho importado sete a oito contentores de café por ano”, disse à Lusa Eduardo Ambrósio. Parte dos grãos são vendidos a fábricas em Macau, onde são torrados e processados e o café empacotado, antes de ser exportado para a China, sem pagar taxas alfandegárias. Mas a maioria dos grãos que Ambrósio importa de Timor-Leste vão já directamente para a China continental, onde as vendas “têm crescido muito, a uma média de 20% ou mais ao ano”, disse o empresário.

      A procura por café na China tem aumentado, assim como a sofisticação dos consumidores. “Antes só bebiam café instantâneo, agora já começam a aprender mais. Há cursos de apreciação de café, competições de baristas”, sublinhou o macaense.

      Desde a presença na Exposição Internacional de Importação da China em 2020 que Timor-Leste já exportou café no valor de cinco milhões de dólares (4,8 milhões de euros) para a China continental.

      Ambrósio defendeu que Timor-Leste “ainda tem muitos terrenos” para novas plantações de café, que poderiam ser financiadas pelo Fundo de Cooperação e Desenvolvimento China-Países de Língua Portuguesa. O fundo de cooperação, no valor de quase mil milhões de euros, foi criado há quase 10 anos pelo Banco de Desenvolvimento da China e pelo Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Macau.

      Segundo o Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum de Macau), o fundo apoiou um investimento total de mais de quatro mil milhões de dólares de empresas chinesas em países de língua portuguesa. “O fundo não se aproveita nada”, lamentou Eduardo Ambrósio. As empresas interessadas têm de garantir um investimento mínimo de cinco milhões de dólares e o fundo apenas financia 20%, explicou. “Deviam baixar para um milhão de dólares. Então poderíamos apresentar muitos projetos para os países de língua portuguesa, não só para Timor”, defendeu o empresário.

      Ambrósio é também o presidente da Associação Comercial Internacional para os Mercados Lusófonos, que vai assinalar na sexta-feira, em conjunto com a Associação de Amizade Macau-Timor, os 20 anos da restauração da independência de Timor-Leste. “Vamos fazer um convívio com à volta de 40 pessoas, a maioria dos quais timorenses radicados cá em Macau. Agora são pouquíssimos, anteriormente havia mais”, lamentou Ambrósio.

      O macaense lembrou que, desde que Macau fechou as fronteiras a estrangeiros em Março de 2020, que as universidades locais não recebem o habitual contingente de estudantes vindos de Timor-Leste. Em 14 de Abril, o Governo anunciou um programa-piloto para levantar as restrições fronteiriças a alguns estrangeiros, incluindo estudantes universitários. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau