Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
25 ° C
25.9 °
24.9 °
100 %
2.1kmh
75 %
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
28 °
Ter
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeUM desenvolve nanomedicina que mimetiza bactérias para melhorar terapias

      UM desenvolve nanomedicina que mimetiza bactérias para melhorar terapias

      Um grupo de investigadores liderado por Wang Ruibing, professor do Instituto de Ciências Médicas Chinesas (ICMS) da Universidade de Macau (UM), desenvolveu uma nanomedicina supramolecular in vivo, que pode agilizar o transporte de células a tumores sólidos em terapias direccionadas ao cancro. Os resultados da investigação foram publicados na revista multidisciplinar Science Advances.

      Neste estudo, a equipa desenvolveu uma estratégia in vivo para, de forma eficiente e estável, agilizar o transporte nas células imunes fagocitárias por meio da automontagem supramolecular de nanomedicina mimética de bactérias intracelularmente para melhorar a entrega de drogas baseadas em células imunes, pode ler-se no comunicado de imprensa tornado público ontem.

      Em resposta à inflamação tumoral, diz ainda o mesmo documento, “as células imunes carregam agregados de nanomedicina intracelular para os tecidos tumorais. Um tratamento fototérmico inicial do tumor induziria danos ao tumor e aumentaria os sinais inflamatórios do tumor, recrutando assim mais células imunes (incluindo transportadores que contêm agregados de nanomedicina intracelular) e levando a uma acumulação significativamente melhorada de nanomedicina no tumor para tratamento fototérmico adicional e imunoterapia”.

      Nos últimos anos, adianta a equipa de investigação, as células têm recebido cada vez mais atenção como potenciais carreadores de drogas devido à sua alta biocompatibilidade, longa circulação sistémica e acumulação em tecidos específicos. A preparação in vitro de carreadores baseados em células geralmente envolve processos complexos e demorados que podem danificar as células e causar contaminação. “A rejeição imune pode ocorrer quando formulações baseadas em células são aplicadas a diferentes indivíduos”, revela a equipa liderada por Wang Ruibing, acrescentando que “é de suma importância desenvolver uma nova formulação de medicamento que possa ir com as células directamente in vivo.

      Wang Ruibing é o autor correspondente principal e Simon Lee, também professor da UM, é o autor co-correspondente. O pós-doutorando Gao Cheng e o estudante de mestrado Wang Qingfu são os autores. Os estudantes de doutoramento da UM Li Junyan e Cheryl Kuong, o assistente de pesquisa Wei Jianwen e o pós-doutorando Xie Beibei também fizeram contribuições importantes para este projecto, que foi financiado pelo Fundo de Desenvolvimento Médico Dr. Stanley Ho, pela Fundação Nacional de Ciências Naturais da China, pelo Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Macau e pelo Centro de Ciência Fronteiras do Ministério da Educação para Oncologia de Precisão.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau