Edição do dia

Sábado, 18 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.9 ° C
28.9 °
26.9 °
78 %
3.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
24 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaXangai retrocede no processo de desconfinamento apesar da queda no número de...

      Xangai retrocede no processo de desconfinamento apesar da queda no número de novos casos

      As autoridades de Xangai voltaram a reforçar as restrições para combate à pandemia de covid-19, numa altura em que a cidade estava gradualmente a levantar algumas das medidas mais rigorosas, que se prolongam há mais de um mês. Avisos emitidos em vários distritos informaram que os moradores foram ordenados a ficar em casa e estão impedidos de receber entregas não essenciais, como parte de um “período tranquilo”, que dura até esta quarta-feira. As medidas mais rígidas podem ser prolongadas, dependendo dos resultados dos testes em massa. Não é claro o que motivou o retrocesso na abertura da cidade, numa altura em que o número de novos casos continua a cair.

      Xangai registou 3.947 casos, nas últimas 24 horas, quase todos sem sintomas, e onze mortos. A cidade ordenou, inicialmente, testes em massa e um bloqueio limitado a bairros onde foram diagnosticados casos positivos, mas acabou por alargar as medidas a toda a cidade, face ao rápido aumento do número de casos.

      Milhares de residentes foram isolados em centros de quarentena centralizados, por testarem positivo à covid-19 ou apenas por terem estado em contacto com uma pessoa infetada. O isolamento de todos os casos, mesmo que assintomáticos, em instalações designadas, muitas com condições degradantes, e falta de acesso a bens essenciais e cuidados médicos na cidade mais próspera da China suscitaram uma vaga de reclamações. “Eu moro em Xangai porque me sinto confortável aqui. É mais internacional, mais liberal. Mas, se se tornar noutra cidade sob o jugo do poder central, começo a pensar seriamente o meu futuro aqui”, disse à Lusa um cidadão estrangeiro radicado na cidade.

      Em Pequim, as autoridades fecharam o maior distrito da cidade, com os moradores a terem de permanecer em casa e as lojas fechadas. A capital chinesa ordenou várias rondas de testes em massa, encerrou parques e outros locais de lazer. Os restaurantes podem apenas fazer entregas ao domicílio.

      A China pratica uma política de “zero casos”, que inclui medidas de confinamento altamente restritivas e a realização de rondas de testes em massa sempre que um surto é detetado.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau