Edição do dia

Terça-feira, 9 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
27.9 ° C
27.9 °
26.9 °
83 %
5.1kmh
20 %
Seg
28 °
Ter
28 °
Qua
29 °
Qui
28 °
Sex
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Ministro da Defesa chinês pede que EUA não usem guerra na Ucrânia...

      Ministro da Defesa chinês pede que EUA não usem guerra na Ucrânia para ameaçar China

      O ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, conversou ontem telefonicamente com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, pedindo ao Governo norte-americano que não use “a questão ucraniana para difamar ou ameaçar a China”. Durante a conversa, que durou cerca de 45 minutos e que ocorreu por iniciativa de Austin, Wei também pediu “o fim das provocações marítimas dos EUA”, de acordo com um relato do Governo norte-americano.

      O ministro da Defesa chinês sublinhou que “Taiwan é uma parte inalienável da China” e avisou Austin de que o uso incorreto da questão de Taiwan “terá um impacto negativo nas relações” entre a China e os EUA. Wei também assegurou que ambos os países devem “respeitar-se, coexistir pacificamente e evitar confrontos”, declarando que a Chinan “espera estabelecer uma relação saudável e estável” com os EUA, pedindo que os exércitos chinês e norte-americano “melhorem a confiança mútua”.

      Pelo seu lado, Austin explicou que os Estados Unidos estão dispostos a promover a implementação do consenso alcançado pelos dois chefes de Estado, Xi Jinping e Joe Biden, durante uma reunião por videoconferência realizada em novembro passado. Durante o telefonema de ontem, Austin repetiu as mensagens de Biden sobre a importância de gerir a concorrência estratégica EUA-China, nomeadamente nas áreas nuclear, espacial e cibernética.

      Desde o início do conflito na Ucrânia, a China tem mantido uma posição ambígua, por um lado insistindo na ideia de “respeito pela integridade territorial de todos os países” e, por outro, na necessidade de ser dada atenção à “legítima exigência de segurança” por parte da Rússia.

      O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China acusa os Estados Unidos de procurarem “aumentar tensões e criar pânico”, ao entregar armas a Kiev e impor sanções à Rússia, ao mesmo tempo que Washington ameaça Pequim com sanções se insistir em ajudar Moscovo a contornar as sanções impostas pelos países ocidentais.

      Diplomatas e representantes chineses rejeitam qualquer comparação entre a guerra na Ucrânia e a situação em Taiwan, uma ilha cuja soberania é reivindicada por Pequim, ao mesmo tempo que consideram uma provocação a passagem de navios de guerra dos EUA pelo Estreito de Taiwan. A ilha é uma das principais fontes de conflito entre a China e os Estados Unidos, sobretudo porque Washington é o principal fornecedor de armas a Taiwan, sendo o seu maior aliado militar no caso de uma guerra com a China.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau