Edição do dia

Quinta-feira, 18 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
25.9 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
6.2kmh
75 %
Qua
28 °
Qui
30 °
Sex
31 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Atlas revisita desenvolvimento de Macau num prisma histórico-geográfico

      Atlas revisita desenvolvimento de Macau num prisma histórico-geográfico

      Um ditado da obra geográfica ‘Microcosmus’, do historiador eclesiástico inglês Peter Heylyn, diz que “História sem Geografia é como uma carcaça morta: sem nenhuma vida e nenhum movimento”. Historiadores eruditos e académicos de Macau pretendem recorrer aos mapas ao longo da história para remontar à relação histórico-geográfica entre Macau, interior da China e países estrangeiros, repensando o desenvolvimento realista do território. ‘Global Mapping of Macao – Xiangshan’, publicado pela Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau, é o primeiro livro atlas sobre Xiangshan, o município histórico ao qual Macau pertencia desde século XII.

       

      ‘Xiangshan’, que tem um significado literal de ‘montanha fragrante’, é a designação tradicional de um município histórico até 1925, e tinha ocupado originalmente os territórios e as ilhas na região ocidental do Delta do Rio das Pérolas que actualmente são de Zhongshan, Zhuhai e de uma parte de Guangzhou, incluindo a península e as ilhas de Macau. Quando os portugueses chegaram à China durante meados do século XVI, na Dinastia Ming, estabeleceram-se em Macau, onde, apesar da presença portuguesa, ainda se encontrava sob a jurisdição de Xiangshan.

      Um novo livro atlas intitulado ‘Global Mapping of Macao – Xiangshan’ foi publicado pela Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST, na sigla inglesa) no mês passado e patrocinado pela Fundação Macau.

      O vice-Reitor da MUST, Tong Ka Lok, afirmou que a obra ‘Global Mapping of Macao – Xiangshan’ é um dos “resultados importantes” do estudo da cultura de Xiangshan e do estudo de mapas antigos de Macau, salientando que uma parte deles é revelada pela primeira vez, sendo de grande valor histórico e académico. Segundo o dirigente da instituição de ensino superior, o livro é também o primeiro atlas temático que diz respeito a Xiangshan, preenchendo uma lacuna na cartografia histórica de Xiangshan.

      A publicação ‘Global Mapping of Macao – Xiangshan’ é, de certa forma, um “retrospecto para a história de Macau”, mas também uma “necessidade para o seu desenvolvimento realista”, frisou Wu Zhiliang, presidente do Conselho de Administração da Fundação Macau. O responsável adiantou ainda que, para Macau se desenvolver, o território deve ser “integrado no plano de desenvolvimento” da China, e a participação na construção da Área da Grande Baía é um “passo indispensável”. Wu Zhiliang espera que os historiadores eruditos e académicos de Macau alarguem os seus horizontes para apostar nos estudos da história de Macau no âmbito de Xiangshan, da Área da Grande Baía e do Sul da China, no contexto ao longo da história da China e da sua história diplomática.

      O novo volume de atlas relativamente a Xiangshan faz parte do projecto ‘Global Mapping of Macao’, sendo uma continuação da série de mapas em grande formato e qualidade profissional com cerca de 50 tipos e 70 peças de mapas antigos seleccionados em torno de Xiangshan, olhando para o desenvolvimento do município histórico no prisma das antigas cartas marítimas e terrestres, na perspectiva tanto oriental como ocidental, remontando a evolução da região ao longo de tempo, desde uma ilha isolada em águas serenas para uma importante base na fronteira marítima, até um centro de comércio e cultura, tendo servido de elo de ligação entre a China e o mundo, relevou Yang Xunling, editor-chefe da obra e sub-bibliotecário universitário da MUST.

      Segundo a apresentação, o livro é uma compilação a partir do mesmo espaço geográfico abrangendo diversos temas. Através de uma comparação de mapas antigos de idade semelhante, mas em línguas e origens culturais diferentes, permite aos académicos sintetizarem os materiais históricos do Oriente e do Ocidente, e examinarem a transmissão de conhecimentos cartográficos e a alienação de conceitos no processo de choques culturais heterogéneos, fornecendo importantes fontes históricas por meio de imagens pictóricas para o estudo de Macau como parte histórica de Xiangshan e intercâmbios culturais entre a China e outros países.

      Estes mapas antigos reflectem os laços estreitos entre Macau, Zhuhai e Zhongshan em termos de sangue e herança cultural, traduzindo a relação histórico-geográfica entre Macau, o interior da China e países estrangeiros, apresentando um ambiente humano e geográfico em que o povo vivia num contexto onde a China moderna ganhou o seu primeiro contacto com o mundo e deu o seu início de integração na globalização, acrescentou o editor da obra.

       

      PONTO FINAL