Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
19.9 ° C
20.9 °
19.9 °
68 %
6.2kmh
0 %
Qua
20 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Todi Kong de Sousa apresenta “A Dança da Vida” na Casa Garden

      Todi Kong de Sousa apresenta “A Dança da Vida” na Casa Garden

      Para além da escultura, disciplina na qual se especializou, a artista plástica também voltou à pintura. Um total de 21 obras estarão nas paredes da delegação da Fundação Oriente a partir do próximo dia 2 de Abril. O principal objectivo da autora é que a mostra dê a conhecer ainda mais o seu trabalho e “abra algumas portas”

       

      A artista plástica Todi Kong de Sousa inaugura no dia 2 de Abril, sábado, na galeria principal da Casa Garden, pelas 17h30, a exposição individual “A Dança da Vida”.

      A mostra, patente até dia 1 de Maio, revela 21 obras da artista plástica em que 16 são esculturas e cinco pinturas. Pinturas especiais, pois Todi usa alguns dos materiais na tela que costuma usar na feitura das esculturas. “Não é a primeira vez que me aventuro na pintura, uma vez que participei numa colectiva promovida pelo pintor e professor Mio Pang Fei há alguns anos no âmbito do estudo no Politécnico, mas foi um trabalho pequeno. Depois destes anos todos, volto agora com cinco pinturas nas quais uso os materiais das esculturas”, referiu, acrescentando que a escultura é algo “mais espontâneo” quando pensa a arte, apesar de gostar muito de pintar.

      A nova exposição “debruça-se essencialmente sobre o tema da vida como uma dança”, explica a delegação de Macau da Fundação Oriente em nota de imprensa enviada às redacções. “Não só das vidas humanas em si e das suas emoções, mas também deste planeta onde vivemos e que está em constante movimento. A artista explora texturas, mistura de materiais e composições. Os tecidos inspiram-na pela sua maleabilidade e leveza durante a criação das peças e no fim tornam-se rígidos, como que um movimento suspenso no tempo”, pode ler-se ainda.

      Na conversa que manteve com o nosso jornal, a autora referiu que o mote para a exposição surgiu de forma natural. “Pensei na vida como numa dança. A verdade é que a vida é, a meu ver, uma dança. Vamos dançando, com sacrifício, até alcançar o sucesso e depois, com a avançar da idade, a energia esmorece e a vida acaba.”

      Apesar de ter vindo a expor em Macau, a sua primeira exposição “Metamorfose” também foi apresentada, em 2015, na Casa Garden da Fundação Oriente. A autora explicou ao nosso jornal que, por norma, faz uma proposta a galerias e espaços de arte quando tem obras suficientes. “Demoro algum tempo a fazer as peças, que são únicas”, admitiu.

      Ter sido engenheira civil deu-lhe alguma bagagem para encarar a vida artística que só abraçou à séria depois dos 50 anos. “Planeamento”, enfatizou Todi. “Há uma componente muito importante que, penso, a engenharia me deu que é o planeamento. Como trabalho com materiais muito especiais, preciso de planear tim-tim por tim-tim todas as fases de criação. Porque se não o fizer, a peça não sai como deve ser”, referiu.

      Nascida em Moçambique, Custódia (Todi) Kong de Sousa ainda viveu 10 anos em Portugal antes de se fixar em Macau em 1986. A sua arte, notou ao PONTO FINAL, é uma mescla de África, do Ocidente e do Oriente. “As minhas peças são uma mistura de culturas”, constata.

      Para este novo desafio, a autora espera que as pessoas que forem visitar a exposição, acima de tudo, “gostem do trabalho”. “O meu primeiro objectivo é que as pessoas conheçam o meu trabalho, que gostem dele e, se possível, o queiram comprar, naturalmente. Que esta exposição me abra algumas portas”, afirmou, explicando que, actualmente, dedica-se a 100% à arte, enquanto escultora autodidacta que está em “constante aprendizagem”.

      Com algumas exposições já realizadas no território, tanto a título individual como em grupo, Todi Kong de Sousa possui ainda esculturas suas em colecções privadas distribuídas por Macau, China, Estados Unidos da América e Portugal.

       

      PONTO FINAL