Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.5 ° C
23.9 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
40 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Pequim combate novo surto de infecções com abordagem mais selectiva

      Pequim combate novo surto de infecções com abordagem mais selectiva

      A China está a enfrentar uma nova vaga de infecções por covid-19 com bloqueios selectivos, e outras medidas, que sugerem um alívio das restrições face à estratégia de “zero casos” usada até recentemente.

       

      Uma nova vaga de infecções de covid-19 está a acontecer na China e o Governo tem procurado uma série de medidas para lidar com a situação.

      Em Hong Kong, que registou mais de 58.000 novos casos entre terça-feira e quarta-feira, barbearias e salões de beleza foram reabertos. Isto ocorre apesar de mensagens contraditórias do Executivo da região semiautónoma, que foi ordenado a seguir a abordagem de “tolerância zero” à covid-19 usada no continente.

      Os 402 casos de transmissão local registados na China, nas últimas 24 horas, foram o quádruplo do número de casos registados há uma semana. Entre esses cases, 165 foram detectados na província de Jilin, no nordeste da China, sobretudo nas cidades de Changchun e Jilin, onde as autoridades municipais isolaram 160 comunidades residenciais.

      Foram ainda concluídas três rondas de testes em massa em Jilin. As ligações de transporte intercidades foram suspensas e todos os moradores aconselhados a ficar em casa até que o número de casos diminuía. Negócios não essenciais e áreas de recreação foram encerrados.

      Motoristas e passageiros de carros particulares, autocarros e táxis, que entram ou saem de Changchun, devem apresentar testes negativos para o coronavírus realizados nas últimas 48 horas. As autoridades atribuíram o surto à variante Ómicron, que é altamente contagiosa. Desde sexta-feira passada, a China diagnosticou 1.200 casos em todo o país.

      Mas as medidas preventivas agora aplicadas são menos rígidas do que no passado, num possível sinal de que a China está a começar a relaxar a sua abordagem de “tolerância zero” à pandemia. Em janeiro, a China bloqueou cidades inteiras, afetando milhões de pessoas.

      No relatório anual sobre o trabalho do Governo, entregue no sábado à Assembleia Popular Nacional, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse que o país precisa de “refinar constantemente a contenção da epidemia”, mas não deu nenhuma indicação direta de que Pequim vai abandonar a estratégia de “tolerância zero”.

      A líder de Hong Kong, Carrie Lam, disse na quarta-feira que reduzir o número de mortes é a prioridade da cidade, enquanto um plano de testes em massa foi suspenso. Estava planeado para este mês, mas Lam disse agora que não há um prazo definido.

      Para reduzir as mortes pelo vírus, Hong Kong está a dedicar um hospital ao tratamento de pacientes de covid-19, através da transformação de enfermarias gerais e da construção de um hospital de emergência, que contará com profissionais médicos do continente. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau