Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Setembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.4 °
27.9 °
89 %
6.2kmh
40 %
Qui
28 °
Sex
28 °
Sáb
29 °
Dom
29 °
Seg
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Internacional A Rússia de Putin invadiu a Ucrânia e já há dezenas de...

      A Rússia de Putin invadiu a Ucrânia e já há dezenas de mortes

      O Presidente russo, Vladimir Putin, lançou ontem uma operação de invasão da Ucrânia, com ataques aéreos e entrada de forças terrestres em direcção à capital do país, Kiev, provocando dezenas de mortes nas primeiras horas, segundo as autoridades ucranianas.

       

      O ataque foi condenado pela comunidade internacional, nomeadamente na parte ocidental, com reuniões de urgência em vários países. Os 27 membros da União Europeia reuniram-se ontem em cimeira, em Bruxelas, enquanto a NATO convocou uma cimeira, em videoconferência, para esta sexta-feira.

      O Presidente russo deu o sinal para as hostilidades ontem de madrugada, após reconhecer a independência dos territórios separatistas ucranianos de Donbass, fazendo validar na terça-feira uma intervenção militar pelo parlamento russo. “Tomei a decisão de uma operação militar especial”, anunciou o chefe do Kremlin numa declaração na televisão antes das 06:00 da madrugada locais. “Vamos esforçar-nos para alcançar a desmilitarização e a desnazificação da Ucrânia”, acrescentou. “Não temos nos nossos planos uma ocupação dos territórios ucranianos, não pretendemos impor nada pela força a ninguém”, declarou, apelando aos militares ucranianos para “deporem as armas”.

      Justificou-se repetindo acusações infundadas de um “genocídio” orquestrado por Kiev nos territórios separatistas pró-russos e alegando um pedido de ajuda dos separatistas, face ao que classificou de política agressiva da NATO, que instrumentalizaria a Ucrânia contra a Rússia. O porta-voz, Dmitri Peskov, precisou a meio do dia que “a duração (da operação) será determinada pelos resultados e pertinência”.

      O ataque visa eliminar os “nazis” que, segundo Moscovo, estão a actuar na Ucrânia. Peskov escusou-se a responder se Moscovo considera o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, um “nazi”.

      O espectro da Segunda Guerra Mundial foi também levantado por Volodymyr Zelensky, que comparou a invasão russa à ofensiva nazi de 1941 contra a Ucrânia, então parte da União Soviética.

      Desde o amanhecer, logo após o discurso de Putin, uma série de explosões foi ouvida em Kiev, em Kramatorsk, cidade do leste que serve de quartel-general ao exército ucraniano, em Kharkiv (este), segunda cidade do país, Odessa (sul), no mar negro, e em Marioupol, principal porto do leste do país.

      O Presidente Zelensky proclamou a lei marcial no país, apelando aos cidadãos para “não entrarem em pânico”, antes de anunciar a rutura das relações diplomáticas com Moscovo. Cerca das 10:00, um elemento da sua equipa indicou que “mais de 40 militares ucranianos foram mortos e dezenas feridos”, e “cerca de 10 civis mortos”.

      As autoridades da região de Odessa indicaram, por seu lado, que 18 pessoas foram mortas numa localidade atingida pelos ataques, sem que se saiba se estas vítimas foram contabilizadas no balanço geral.

      Duas horas mais tarde, a ofensiva parecia visar directamente Kiev: as autoridades ucranianas indicaram que as forças terrestres russas tinham entrado nos arredores da capital e que um avião militar ucraniano caiu na região, com 14 pessoas a bordo.

      A Ucrânia, tal como a vizinha Moldávia, fechou o espaço aéreo à aviação civil. Os voos foram cancelados desde os aeroportos das principais cidades do sul da Rússia, perto da Ucrânia. Moscovo fechou a navegação no mar de Azov, que banha a Ucrânia e a Rússia.

       

      Putin diz que invasão era a única solução

      O Presidente russo, Vladimir Putin, disse ontem que o seu país “não tinha outra maneira” de se defender a não ser lançar um ataque na Ucrânia, confirmando que o Exército russo está em processo de invasão daquele país vizinho. “O que está acontecendo agora é uma medida coerciva. Porque não temos outra forma de fazer o contrário”, disse Putin, durante uma reunião com empresários, em Moscovo, que foi difundida pelas estações televisivas. “Os riscos de segurança criados eram tais que era impossível reagir de outra forma”, explicou Putin, questionando a intransigência de Kiev e do Ocidente em relação às exigências de segurança apresentadas pela Rússia, nos últimos meses. “Eles poderiam colocar-nos num tal risco que não saberíamos como sobreviver”, acrescentou o Presidente russo, depois de ter exigido a promessa de que a Ucrânia não faria parte da NATO. Putin também assegurou que a Rússia não quer minar o sistema económico e não quer ser excluído dele, reagindo ao anúncio de sanções que estão a afetar duramente os mercados e a moeda russa. “A Rússia continua a participar da economia global”, disse Putin, acrescentando que Moscovo “não pretende minar o sistema no qual funciona” e avisando que o seu Governo está preparado para o impacto de novas sanções contra a economia, pedindo aos empresários que mostrem “solidariedade”.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau