Edição do dia

Quinta-feira, 18 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
25.9 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
6.2kmh
75 %
Qua
28 °
Qui
30 °
Sex
31 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Política Ho Ion Sang pretende educação baseada na inteligência artificial

      Ho Ion Sang pretende educação baseada na inteligência artificial

      Numa interpelação escrita ao Governo da RAEM, o deputado da UGAMM destaca a importância da inteligência artificial. O parlamentar exorta mesmo o Executivo a “desenvolver a educação com recurso à inteligência artificial e em promover e generalizar os respectivos conhecimentos e tecnologia da inteligência artificial”.

       

      O deputado da Assembleia Legislativa (AL) Ho Ion Sang gostaria que o Executivo liderado por Ho Iat Seng apostasse mais na inteligência artificial, mas “pouco ou nada” tem sido feito no território em pleno século XXI. “Numa resposta, em Janeiro deste ano, a uma interpelação oral minha, as autoridades afirmaram que iam continuar a promover a escola inteligente e a educação inteligente, e que na próxima fase iam avançar com a educação baseada na inteligência artificial. Mas, afinal, qual é, em concreto, o plano das autoridades para implementar a educação baseada na inteligência artificial”, questiona o parlamentar funcionário bancário.

      Há anos, refere Ho Ion Sang, Macau apresentou a construção de uma cidade inteligente, no entanto, “a utilização da inteligência artificial continua a ser fraca”. “Os Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim merecem a reflexão do Governo e até de toda a sociedade de Macau, sobretudo no sentido de se encontrar uma solução que permita uma plena combinação entre a indústria e a universidade e o aumento da presença da inteligência artificial em mais cenários do dia-a-dia, assim como de reforçar a combinação entre a inteligência artificial e os serviços comunitários e a governação da sociedade, com vista a fornecer soluções melhores e mais inteligentes para a futura vida urbana”, refere o também vice-presidente da União Geral das Associações dos Moradores de Macau (UGAMM), acrescentando que “as pessoas ficaram impressionadas com a presença da inteligência artificial em diversos aspectos, tais como repórteres para a língua gestual, árbitros, previsão do tempo, restaurantes automáticos, espelhando o aumento da capacidade do país ao nível das tecnologias em geral”.

      Segundo o Planeamento de Desenvolvimento da nova geração da Inteligência Artificial, divulgado pelo Conselho de Estado em 2017, no ensino primário e secundário do interior da China vão ser leccionadas disciplinas respeitantes à inteligência artificial, relembrou Ho Ion Sang. “Macau vai tomar como referência a prática das autoridades do interior da China, no sentido de incluir a inteligência artificial nos planos curriculares do ensino primário e secundário”, lança o repto, questionando o Executivo “em que moldes”.

      O deputado eleito por sufrágio indirecto considera que há muito a fazer na promoção do desenvolvimento tecnológico em Macau, com principal enfoque no sector da educação. “Há que pensar em desenvolver a educação com recurso à inteligência artificial e em promover e generalizar os respectivos conhecimentos e tecnologia da inteligência artificial, no sentido de formar talentos locais adolescentes na área da informática e de aumentar os conhecimentos tecnológicos dos adolescentes”, admite.

      Ho Ion Sang afirma ainda que as tecnologias emergentes estão a passar da fase de concepção para a fase de aplicação, “e há cada vez mais sectores tradicionais a começar a explorar e a avançar com inovações”. “Contudo, a aplicação da inteligência artificial não é muito vulgar nos serviços comunitários de Macau”, aponta o também membro do Comité Nacional da 13.ª Conferência Consultiva Política do Povo Chinês.

       

      PONTO FINAL