Edição do dia

Terça-feira, 9 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
27.9 ° C
27.9 °
26.9 °
83 %
5.1kmh
20 %
Seg
28 °
Ter
28 °
Qua
29 °
Qui
28 °
Sex
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China cria medidas de apoio ao emprego face a recorde de licenciados

      China cria medidas de apoio ao emprego face a recorde de licenciados

      O Governo chinês anunciou ontem medidas de apoio para os empresários que geram empregos, perante as previsões de que quase 11 milhões de estudantes universitários vão entrar este ano no mercado de trabalho, informou um jornal de Hong Kong.

      Os 10,76 milhões de universitários que terminam este ano os estudos constituem um número recorde na China, acrescentando pressão ao exigente mercado laboral do país asiático, segundo a mesma publicação.

      Em Dezembro, o desemprego entre os jovens chineses entre os 16 e 24 anos atingiu 14,3%, valor muito superior à taxa de desemprego de 5,1% para profissionais de todas as idades, segundo dados oficiais.

      O jornal South China Morning Post informou que quase 4,4 milhões de pequenas e médias empresas (PME) fecharam nos primeiros onze meses do ano passado, mais do triplo do número de PME que abriram durante o mesmo período, o que mostra que este tipo de empresas continua a enfrentar grande pressão, desde o início da pandemia da doença covid-19. Este tipo de empresas representa cerca de 80% do emprego no sector privado do país.

      A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, o órgão máximo de planeamento económico do país, anunciou apoios para fazer face aos problemas de emprego dos recém-licenciados.

      Empréstimos com juros baixos vão ser concedidos às PME que empregam recém-formados ou pessoas que se formaram nos dois anos anteriores e não encontraram emprego. As medidas anunciadas também incluem a criação de “incubadoras” governamentais para empresas emergentes (‘start-ups’) ou benefícios fiscais.

      O Governo vai oferecer ajuda especial a jovens empreendedores, pois “começar um novo negócio tem um efeito multiplicador na geração de empregos”, apontou a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma. “Nos últimos anos, mais licenciados participaram do empreendedorismo, mas também enfrentam dificuldades de financiamento, falta de experiências e serviços, entre outros [problemas]”, explicou o órgão.

      O mercado de trabalho é visto como um pilar da estabilidade social por Pequim, mas enfrenta vários desafios, face a surtos esporádicos do novo coronavírus, que continuam a pesar no consumo, uma desaceleração do mercado imobiliário ou o aumento do custo das matérias-primas.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau