Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Financiamento chinês de infraestruturas em África ultrapassa todos os outros países juntos

      Financiamento chinês de infraestruturas em África ultrapassa todos os outros países juntos

      O financiamento chinês para projectos de infraestrutura na África Subsaariana ascendeu a 23 mil milhões de dólares, entre 2007 e 2020, mais do que a soma do financiamento feito pelos Estados Unidos, Europa e Japão, segundo um relatório. A pesquisa, desenvolvida por Nancy Lee e Mauricio Cárdenas González, do Centro para o Desenvolvimento Global, em Washington, apurou que os empréstimos concedidos pelos Estados Unidos nos últimos 13 anos para a construção de infraestruturas corresponde a apenas 10% dos investimentos feitos pelos dois principais bancos de desenvolvimento da China, o China Exim Bank e o China Development Bank.

      Os autores também observaram que não há evidências de qualquer “tendência ascendente” no financiamento de infraestruturas no continente pelos Estados Unidos. E apontaram que, ao contrário da perceção que existe nos EUA e na Europa, de que a China é responsável pelo financiamento de usinas a carvão e outros projetos poluentes em África, os autores apuraram que o “investimento da China em energias renováveis excedeu o seu investimento em combustíveis fósseis”.

      A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou na quinta-feira, no Senegal, um plano de investimentos para África que mobilizará cerca de 150 mil milhões de euros, o primeiro plano regional no quadro da nova estratégia de investimento da União Europeia, designada Global Gateway.

      Na sua visita ao continente, em novembro passado, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, enfatizou a “necessidade de fortalecer a democracia em África” e, numa referência implícita à China, disse que sabia que os africanos estavam “desconfiados das amarras” que frequentemente acompanham os compromissos estrangeiros. “A nossa abordagem será sustentável, transparente e orientada para o valor”, acrescentou o chefe da diplomacia norte-americano.

      O Centro para o Desenvolvimento Global lembra, no entanto que as promessas de investimento continuam a não ser cumpridas. “Não há indicação de que mais das vastas quantidades de capital privado global e investimentos institucionais estejam a começar a fluir para infraestruturas na África Subsaariana (SSA)”, descreveu.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau