Edição do dia

Quinta-feira, 18 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
25.9 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
6.2kmh
75 %
Qua
28 °
Qui
30 °
Sex
31 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Ásia Coligação denuncia “desaparecimento quase completo” dos ‘media’ independentes

      Coligação denuncia “desaparecimento quase completo” dos ‘media’ independentes

      Os países da coligação internacional pela liberdade de imprensa denunciaram ontem o “desaparecimento quase completo” dos ‘media’ independentes em Hong Kong e mostraram-se “profundamente preocupados” com os ataques ao sector das autoridades da China continental e daquela região chinesa.

      Em comunicado, a ‘Media Freedom Coalition’, da qual fazem parte países como os Estados Unidos, Reino Unido ou Alemanha, recorda a recente invasão da sede e detenção da equipa do portal de notícias, em linha com a pró-democracia, Stand News, e ainda o subsequente encerramento de outro portal, o Citizen News, devido à “preocupação com a segurança dos seus trabalhadores”.

      “Desde a promulgação da Lei de Segurança Nacional em Junho de 2020, as autoridades atacaram e suprimiram os ‘media’ independentes na Região Administrativa Especial de Hong Kong. Isso corroeu os direitos e liberdades protegidos estabelecidos na Lei Básica e mina as obrigações da China sob a Declaração Conjunta Sino-Britânica”, pode ler-se na nota assinada por governos de 21 países.

      Segundo esta coligação, a acção as autoridades chinesas “causou o desaparecimento quase completo dos meios de comunicação independentes locais em Hong Kong”. “Essas acções em andamento prejudicam ainda mais a confiança na reputação internacional de Hong Kong por meio da supressão dos direitos humanos, liberdade de expressão e livre fluxo e troca de opiniões e informações”, realçam.

      Em 29 de Dezembro, o meio de comunicação ‘online’ de Hong Kong Stand News anunciou a cessação imediata de todas as operações, após a polícia ter detido vários funcionários e ex-funcionários da publicação, sob a acusação de “publicação sediciosa”.

      Já o portal noticioso CitizenNews anunciou em 2 de Janeiro o encerramento da sua atividade para “assegurar a segurança de todos”, dias depois da operação policial no Stand News.

      Durante o ano passado, a Rádio Televisão de Hong Kong ficou sob o controlo de líderes pró-governo e o jornal Apple Daily foi encerrado em junho por ser considerado uma ameaça à segurança nacional, e o seu fundador, Jimmy Lai, foi condenado pela justiça.

      Pequim reforçou o seu controlo sobre Hong Kong desde os protestos pró-democracia massivos, que marcaram esta região administrativa especial da China (desde 1997) em 2019, incluindo uma estratégia de repressão da imprensa local.

      A ‘Media Freedom Coalition’ defende ainda que é do interesse de todos “uma Hong Kong estável e próspera em que os direitos humanos e as liberdades fundamentais sejam protegidos”. Esta coligação apela também às autoridades de Hong Kong e da China continental para que respeitem “a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão”. Fazem também parte desta coligação internacional a Austrália, Áustria, Canadá, República Checa, Estónia, Finlândia, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Países Baixos, Nova Zelândia, Eslováquia, Eslovénia e Suíça.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau