Edição do dia

Quinta-feira, 18 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
25.9 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
6.2kmh
75 %
Qua
28 °
Qui
30 °
Sex
31 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Teleférico da Guia continua encerrado por tempo indefinido

      Teleférico da Guia continua encerrado por tempo indefinido

      Após quase cinco meses fora de serviço, ainda não há data para a reabertura do teleférico da Guia. O Instituto para os Assuntos Municipais explicou que é devido às restrições da pandemia, que levaram à impossibilidade de os técnicos profissionais do fabricante europeu virem a Macau para realizar a substituição do cabo de aço principal do sistema.

       

      O Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) diz que ainda não há data prevista para a reabertura do teleférico da Guia. Após cinco meses do encerramento, o teleférico vai continuar suspenso por tempo indeterminado devido a questões técnicas e pandémicas, explicou o IAM.

      O teleférico da Guia está encerrado desde meados de Setembro do ano passado após ter sido descoberto durante um serviço de manutenção regular que algumas peças estão desgastadas e devem ser substituídas. Em resposta a uma consulta de informação feita pelo Jornal Ou Mun, o IAM explicou que na inspecção foi constatado que o cabo de aço principal estava danificado e a unidade de verificação recomendou a suspensão do funcionamento até que o cabo fosse substituído.

      Citado pelo mesmo jornal, o IAM salientou que, sendo o cabo de aço principal do teleférico um componente importante do sistema, os requisitos técnicos específicos devem ser seguidos rigorosamente, revelando que o comprimento total do cabo de aço de substituição do teleférico é de cerca de 450 metros. “A ligação do cabo tem de ser efectuada por técnicos profissionais do fabricante do cabo, e o certificado de segurança só pode ser emitido após a conclusão do processo de reparação”, referiu o IAM, acrescentando que só depois o teleférico poderá reabrir aos cidadãos. Neste caso, a empresa fabricante responsável pela obra de substituição é a CWA Construction, com sede na Suíça.

      Todavia, devido à situação da pandemia e as restrições fronteiriças não foi possível aos técnicos profissionais do fabricante europeu virem a Macau para a obra, segundo o organismo, garantido que irá continuar a coordenar com a empresa no âmbito do trabalho de substituição do cabo.

      Apesar de não haver uma data prevista para a obra de reparação, o IAM frisou que, para evitar o envelhecimento acelerado das peças do teleférico devido à suspensão completa, o sistema mantém-se activo duas horas por dia durante o período de encerramento, assegurando o funcionamento normal das restantes peças.

      Recorde-se que, de acordo com informações do Boletim Oficial datadas de 1995, a obra de concepção, construção e manutenção do teleférico no Parque Urbano da Colina da Guia foi empreitada à Sociedade Anónima Rowema AG, empresa matriculada em Zurique, num valor superior a 11 milhões de patacas, para dois anos de construção e três anos de manutenção.

      A pedra fundamental da obra foi lançada em Outubro de 1996 e a construção foi concluída em Setembro do ano seguinte. Durante o processo de construção foi construída apenas uma torre de apoio para o teleférico, de forma a manter a aparência natural da encosta da Colina da Guia e minimizar o derrube de árvores.

      O teleférico abriu ao público em Outubro de 1997 e continua a ser o único sistema de teleférico existente em Macau com um comprimento total de 186 metros, para transportar os visitantes entre o Jardim da Flora e a Colina da Guia. Cada carruagem pode levar quatro pessoas e a viagem completa demora apenas cerca de um minuto e meio.

      Este meio de transporte fornece especialmente conveniência para os moradores que sobem a colina para fazer exercício, contudo, a suspensão há cerca de cinco meses já levou ao surgimento de opiniões dos cidadãos que esperam retomar o funcionamento do teleférico o mais breve possível para facilitar o transporte a idosos e crianças.

       

      PONTO FINAL