Edição do dia

Sexta-feira, 14 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
29.2 ° C
30.9 °
28.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Sex
29 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeMateriais de construção amigos do ambiente já são exigidos nas obras...

      Materiais de construção amigos do ambiente já são exigidos nas obras públicas

      Respondendo a uma interpelação escrita do deputado Ma Io Fong, a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental salientou que o Governo da RAEM tem exigido e recomendado a utilização de materiais de construção amigos do ambiente e técnicas ecológicas nas obras públicas, tendo em conta o facto de que a instalação de painéis solares e espaços verdes são agora condições urbanísticas para as obras na Zona A dos Novos Aterros. O organismo revelou ainda que vai haver orientações oficiais de construções verdes para os projectos de habitação pública.

       

      A Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) assinalou que as autoridades locais já estão a empenhar-se na promoção e implementação de construções verdes para responder e cooperar com a política nacional de desenvolvimento das obras amigas do ambiente. Os serviços de obras públicas, já na fase da concepção dos projectos públicos de infraestruturas e habitacionais, têm vindo a exigir e encorajar as entidades projectistas a utilizar materiais de construção amigos do ambiente, produtos verdes e técnicas de conservação energética.

      Em resposta a uma interpelação escrita do deputado Ma Io Fong, a DSPA revelou ainda que vai elaborar orientações específicas para os projectos de habitação pública, com a finalidade de promover a indústria de construções verdes, e as respectivas directrizes serão estendidas gradualmente a outros projectos de obras públicas em Macau.

      O deputado ligado à Associação Geral das Mulheres salientou na sua interpelação que, no domínio da protecção ambiental, a China já estipulou planos de implementação da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima e o Acordo de Paris, nomeadamente alcançar o pico de emissões de carbono em 2030 e a neutralidade carbónica em 2060.

      “A RAEM tem o dever e a responsabilidade de se articular com as estratégias do desenvolvimento ecológico do país. Para concretizar a ‘redução das emissões’, um dos principais rumos a seguir consiste em promover as construções verdes com baixas emissões de carbono”, notou.

      Ma Io Fong explicou que a ideia principal da construção verde é criar condições de uma vida urbana com baixa emissão de carbono e menos gastos, através de tecnologias verdes e de baixa emissão de carbono em várias vertentes, tais como ao nível dos materiais e tramitação da construção, das energias utilizadas na construção e da arborização dos espaços superiores.

      Nesse sentido, o parlamentar considerou que o Governo deve tomar a iniciativa de definir instruções aplicáveis a Macau em matéria de construção verde, e as construções e habitações públicas podem ser como obras-piloto para concretizar as tecnologias e orientações das obras amigas do ambiente.

      Já o director da DSPA, Tam Vai Man, destacou na resposta que, de acordo com a Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), o Governo tem introduzido exigências de condições urbanísticas aquando da elaboração do planeamento das pequenas zonas e da planta de condições urbanísticas nos últimos anos. “Por exemplo, da Zona A, a instalação de painéis solares, a criação de espaços verdes nas coberturas dos edifícios, entre outras técnicas ligadas às construções verdes”, exemplificou.

      Recorde-se que o Segundo Plano Quinquenal de Desenvolvimento Socioeconómico da RAEM (2021-2025) prevê que será disposto um sistema fotovoltaico ou um espaço de arborização não inferior a 30% da área descoberta no terraço das habitações públicas a serem construídas.

      Em termos dos cinco projectos de habitação pública nos lotes A1, A2, A3, A4 e A12 da Zona A dos Novos Aterros, que foram lançados a concurso público, as técnicas de construção verde, como a utilização de elementos pré-fabricados e cofragens metálicas, fizeram parte dos critérios de avaliação da adjudicação das obras, segundo o Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas.

      Além das construções públicas, os projectos de construção de empreendimentos privados estão igualmente sujeitos a seguir as exigências da planta de condições urbanísticas e à apreciação dos pareceres sobre matérias de protecção ambiental, paisagística e espaços verdes.

      Citada pela DSPA, a DSSOPT assegurou ao mesmo tempo que irá colaborar activamente com os serviços públicos e entidades e sectores locais no desenvolvimento de trabalhos relativos à formação de técnicos e quadros locais da indústria, preparando futuras necessidades de mais projectos com construções verdes.

       

      PONTO FINAL