Edição do dia

Segunda-feira, 16 de Maio, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
19.9 ° C
20.5 °
19.9 °
88 %
6.7kmh
40 %
Seg
21 °
Ter
24 °
Qua
25 °
Qui
25 °
Sex
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China PC Chinês expulsa dois altos quadros por suspeitas de corrupção

      PC Chinês expulsa dois altos quadros por suspeitas de corrupção

      O antigo vice-presidente do Banco de Desenvolvimento da China He Xingxiang e o ex-secretário do Partido Comunista Chinês na cidade de Hangzhou, Zhou Jiangyong, foram expulsos do partido, anunciou ontem o órgão anticorrupção do PCC. A Comissão Central de Inspecção Disciplinar anunciou, em dois comunicados, a expulsão de Zhou e He também de todos os cargos públicos. Ambos “violaram gravemente as leis e a disciplina do Partido Comunista”, segundo a comissão.

      Durante a sua estada em Hangzhou, capital da província de Zhejiang, no leste da China, Zhou participou de “banquetes que podiam afetar o uso imparcial do seu poder”, além de “aceitar presentes e grandes somas de dinheiro em colaboração com os seus familiares”.

      De acordo com a comissão, Zhou “aproveitou as suas posições para beneficiar outros”, fingiu “seguir as diretrizes” do Comité Central do PCC, quando na verdade “agiu contra estas”, e envolveu-se em “actividades supersticiosas”. Zhou também “conspirou com as forças do capital” e apoiou a “expansão desenfreada do capital”, uma acusação usada, especialmente, após a campanha de “prosperidade comum” lançada pelo Presidente chinês, Xi Jinping, no ano passado.

      He Xingxiang “perdeu os seus ideais e convicções” e “traiu a sua missão original”, acusou a agência anticorrupção. Além de “aceitar subornos”, em forma de dinheiro e presentes, He concedeu empréstimos “ilegalmente”, comportamentos que causaram “grandes danos à nação” e “significativos riscos financeiros”.

      Fundado em 1994, o Banco de Desenvolvimento da China está sob a jurisdição do Conselho de Estado Chinês, o Executivo do país, e é um dos bancos estatais encarregados, entre outras coisas, de fornecer fundos para grandes projectos de infraestrutura no exterior, incluindo em África. De acordo com a comissão, os bens obtidos ilicitamente de ambos os funcionários foram confiscados e os seus casos entregues à justiça.

      Após ascender ao poder, em 2012, o atual secretário-geral do PCC e Presidente da China, Xi Jinping, iniciou uma campanha anticorrupção no âmbito da qual mais de um milhão de funcionários foram punidos, incluindo centenas de altos quadros.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau