Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
19.9 ° C
20.9 °
19.9 °
68 %
6.2kmh
0 %
Qua
20 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Escultura ao ar livre é a proposta da Taipa Village

      Escultura ao ar livre é a proposta da Taipa Village

      A Taipa Village Cultural Association apresenta duas instalações de arte para interação do público na vila da Taipa. “REVERIE” é a exposição exclusiva de Wong Ka Long que estará patente até dia 15 de Abril.

       

      A Taipa Village Cultural Association vai inaugurar hoje, dia 26 de Janeiro, duas instalações de arte exclusivas da autoria do artista Wong Ka Long. “REVERIE” é a proposta da associação cultural que desvenda duas estruturas de bambu de três metros de altura desenhadas, cada uma com o seu tema: “Bless” e “Tea Room”.

      “É uma honra convidar Wong Ka Long para expor as suas novas esculturas na Taipa Village”, começou por dizer o arquitecto João Ó, responsável da Taipa Village Cultural Association, citado por um comunicado de imprensa.

      Ambas as esculturas estão decoradas com motivos militares  como uma espécie de capacetes em azul, verde e amarelo para evocar a arquitectura da vila da Taipa. Os capacetes são amarrados numa corda e pendurados como sinos. Refere a Taipa Village que “os visitantes serão tentados a interagir com as duas esculturas para explorar as suas características espaciais, texturas e temperaturas, bem como as suas conexões com o ambiente”.

      “Ao longo dos anos, como Wong utilizou capacetes militares com pinturas decorativas como objectos escultóricos alternativos nas suas peças de arte, o adereço acabou por se tornar um dos seus elementos de eleição, ligando culturas ocidentais e orientais e forjando novos significados em cada exposição”, referiu ainda João Ó

      Construído para incorporar um abrigo de bambu, “Bless” adopta as características de design de um santuário japonês, servindo como um local para o público orar. Os sinos em forma de capacete dispõem-se em três cores – azul, verde e amarelo, que, de acordo com o artista, representam higiene e saúde neste momento que estamos a atravessar com a pandemia de Covid-19. Azul e verde simbolizam as cores das máscaras faciais, enquanto o amarelo representa a cor das roupas de protecção individual. Os visitantes podem balançar os sinos e fazer um desejo.

      A instalação “Tea Room” também é construído em bambu. É inspirado nas salas de chá de tatami de quatro e meio de estilo japonês e também apresenta sinos em capacete de cor azul, verde e amarelo. O público pode entrar no espaço aberto da instalação, especialmente projectado para o efeito, sentando-se um de frente para o outro a uma distância de um metro.

      Nascido em Macau em 1977, Wong Ka Long começou a estudar escultura na Academia de Belas Artes de Cantão em 1996 e obteve o grau de mestre em 2003. Durante os estudos, explorou a lendária Rota da Seda. Wong considera que foi profundamente inspirado pela mistura de culturas ocidentais e orientais, muito características de Macau. Desde 2004, tem participado em vários projectos de escultura, nomeadamente escultura de figuras, pelos quais se tem vindo a tornar conhecido do grande público. Muitas das suas obras inspiram-se em objectos militares como capacetes de guerra, fruto fortuito da política governamental de preservação das relíquias militares portuguesas. O trabalho de Wong explora ainda as conexões entre pintura e metal, cultura e assuntos militares.

       

      PONTO FINAL