Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
25.9 ° C
27.9 °
25.9 °
94 %
3.1kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
27 °
Sex
27 °
Sáb
27 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaMulher de candidato presidencial na Coreia do Sul ameaça prender jornalistas críticos

      Mulher de candidato presidencial na Coreia do Sul ameaça prender jornalistas críticos

      A mulher de um candidato presidencial na Coreia do Sul ameaçou “prender todos os jornalistas” críticos do seu marido caso ele chegue ao poder, o segundo escândalo para este candidato no espaço de uma semana, foi ontem divulgado. “Se eu chegar à Casa Azul (sede da Presidência da Coreia do Sul), vou colocá-los a todos na prisão”, assegurou Kim Keon-hee, mulher do candidato do partido conservador Poder ao Povo (PPP), Yoon Suk-yeol, e aspirante à função de primeira-dama sul-coreana, em declarações a um jornalista. Este último gravou os comentários, que ontem foram tornados públicos após uma batalha legal. Nas gravações, Kim Keon-hee afirmou que a comunicação social crítica do seu marido seria provavelmente processada caso o candidato presidencial chegasse ao poder. “A polícia vai acusá-los, com a nossa ordem ou não”, apontou. Trata-se do segundo escândalo a atingir Yoon Suk-yeol no espaço de uma semana. A primeira polémica ocorreu em 18 de janeiro, quando o PPP se distanciou dos comentários de Kim Keon-hee em defesa de Ahn Hee-jung, um ex-candidato presidencial que está preso há três anos por ter abusado da sua secretária. O gestor de campanha do candidato disse ontem que o partido estava a “tentar descobrir o melhor caminho a seguir”, após os comentários da possível futura primeira-dama. Yoon Suk-yeol está a disputar as eleições com o candidato do Partido Democrata, Lee Jae-myung. A eleição presidencial está marcada para Março. O partido tentou repetidamente bloquear a publicação destas gravações, recorrendo aos tribunais. Todos os pedidos foram negados pelas instâncias. Os comentários de uma mulher que pode vir a ser a próxima primeira-dama do país “refletem as suas opiniões (…) e, portanto, estão sujeitas ao interesse público e à fiscalização”, decidiu o Tribunal Federal de Justiça, na semana passada.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau