Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
77 %
6.2kmh
40 %
Dom
15 °
Seg
19 °
Ter
19 °
Qua
20 °
Qui
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Director da DSEDJ admite lacunas administrativas constadas pelo CCAC

      Director da DSEDJ admite lacunas administrativas constadas pelo CCAC

      Após o Comissariado contra a Corrupção (CCAC) ter divulgado o “Relatório de sindicância sobre a concessão de subsídios do Plano de Desenvolvimento das Escolas pelo Fundo de Desenvolvimento Educativo (FDE)”, criticando a existência de lacunas e ambiguidade no financiamento do Fundo, o presidente do Conselho Administrativo do FDE, Lou Pak Sang admitiu ontem responsabilidades e que há omissões e lacunas administrativas.

      Segundo o mesmo, também director dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ), actualmente nenhum funcionário do organismo foi encontrado envolvido na violação das leis.

      Para os eventuais processos disciplinares e fiscalização interna, Lou Pak Sang considera que é mais importante “ordenar e optimizar os trabalhos do FDE, preenchendo as lacunas e reforçando a supervisão à utilização do erário”.

      Recorde-se que o CCAC destacou que o mecanismo de reembolso de FDE não cumpria os requisitos legais, e Lou Pak Sang admitiu que a eficiência dos processos de reembolso era muito baixa, sendo que esses não poderiam ser concluídos dentro de 30 dias de acordo com a lei.

      “Todos os reembolsos tinham de ser verificados com o relatório de escola antes da devolução de montante, e será alterado no futuro esse mecanismo. E os montantes em causa na investigação do CCAC já foram reembolsados antes do Natal do ano passado”, disse.

      O responsável prosseguiu dizendo que a DSEDJ já criou um grupo para rever os trabalhos do FDE, fortalecendo ainda a dupla supervisão do Governo e das escolas através da introdução de medidas electrónicas. Neste caso, as escolas são sujeitas a submeter dados e informações de actividades subsidiárias para inspecções a qualquer momento, será criada uma base de dados de fornecedores, como agências de viagens, para as escolas realizarem sorteios para seleccionar a entidade de prestação de serviços de uma forma mais justa.

       

      C.C.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau