Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
25 ° C
25.9 °
24.9 °
100 %
2.1kmh
75 %
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
28 °
Ter
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioRegiãoMilitares sul-coreanos pedem desculpa por falha de segurança na fronteira

      Militares sul-coreanos pedem desculpa por falha de segurança na fronteira

      Os militares sul-coreanos pediram desculpa por terem causado preocupação ao povo sobre a sua prontidão em termos de segurança, dias depois de não terem conseguido deter um desertor norte-coreano que regressou à Coreia do Norte.

       

      “Não cumprimos devidamente as nossas funções. (…) Peço desculpa por causar preocupações ao povo”, disse o general Won In-choul, durante uma sessão da comissão de defesa do parlamento, em Seul, citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap. “Prometo fazer todos os esforços para que não haja recorrência de incidentes semelhantes”, acrescentou o presidente do Estado-Maior Conjunto, que reúne os chefes dos três ramos das Forças Armadas da Coreia do Sul.

      Os militares admitiram que o norte-coreano conseguiu atravessar a fronteira apesar de as câmaras de vigilância o terem detetado cinco vezes, no que foi considerado como uma grande falha de segurança.

      O Ministério da Defesa disse que se trata provavelmente de um norte-coreano, com cerca de 30 anos, que tinha conseguido atravessar a fronteira para se instalar na Coreia do Sul em novembro de 2020, dado que a imagem captada pelas câmaras de vigilância corresponde à mesma pessoa.

      Depois de chegar à Coreia do Sul, o norte-coreano identificou-se como um antigo ginasta e contou que rastejou junto às cercas da fronteira antes de ter sido encontrado por tropas sul-coreanas, disseram fontes do ministério.

      Enquanto esteve na Coreia do Sul, viveu sozinho num apartamento em Seul fornecido pelo governo e trabalhou numa empresa de limpeza, mas não terá conseguido adaptar-se e disse a pessoas com quem conviveu que desejava regressar a casa, segundo relatos citados pela AP. O destino do homem que atravessou para a Coreia do Norte no sábado é desconhecido.

      O Ministério da Defesa sul-coreano disse que as autoridades norte-coreanas não responderam a um pedido para que a sua segurança fosse garantida, embora tivessem confirmado a receção da informação de que tinha atravessado a fronteira.

      A península coreana está dividida por uma Zona Desmilitarizada com 250 quilómetros de comprimento e quatro de largura, no âmbito do acordo de armistício de 1953, que permitiu um cessar-fogo na Guerra da Coreia, iniciada três anos antes.

      A deserção através da zona desmilitarizada é rara, uma vez que é fortemente guardada por tropas de combate dos dois lados, além de ter minas terrestres e arame farpado. Os militares da Coreia do Sul têm sido alvo de enormes críticas públicas sempre que alguém é capaz de atravessar a fronteira sem ser detetado.

      Cerca de 34.000 norte-coreanos fugiram para a Coreia do Sul desde o final da década de 1990 e cerca de 30 regressaram a casa nos últimos 10 anos, de acordo com os registos do governo sul-coreano.

      O choque cultural e a discriminação, dívidas e a chantagem por agentes norte-coreanos que ameaçam prejudicar os familiares na Coreia do Norte são os motivos geralmente apontados para o regresso ao Norte.

       

      Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau