Edição do dia

Quinta-feira, 18 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
25.9 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
6.2kmh
75 %
Qua
28 °
Qui
30 °
Sex
31 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Opinião Relações quádruplas complexas entre a China, Rússia, Estados Unidos e Japão

      Relações quádruplas complexas entre a China, Rússia, Estados Unidos e Japão

       

      A reunião em vídeo entre o Presidente chinês Xi Jinping e o russo Vladimir Putin em 12 de Dezembro chegou a um consenso sobre seis áreas principais de cooperação no meio de um clima político de deterioração das relações com os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, surgiu uma sombra da mini-Guerra Fria entre a Rússia e os Estados Unidos, principalmente devido aos seus cálculos estratégicos e militares sobre a Ucrânia.

       

      O encontro em vídeo entre o Presidente Xi e o Presidente Putin foi politicamente significativo. Antes de mais, o Presidente Xi salientou que alguns países acenaram com a bandeira da “democracia” e dos “direitos humanos” para intervir nos assuntos internos tanto da China como da Rússia e que tanto a China como a Rússia deveriam tomar medidas conjuntas para proteger a sua segurança. A posição do Presidente Putin foi que as relações sino-russas atingiram “um período sem precedentes” em que ambas as partes estabelecem uma confiança mútua estrategicamente baseada na manutenção dos princípios do respeito mútuo e da não ingerência em assuntos internos de outros.

       

      Obviamente, ambos os lados discordam da forma como alguns Estados democráticos ocidentais utilizam os seus valores democráticos para criticar a China e a Rússia. Ideologicamente, o tratado de amizade e cooperação sino-russo de vizinhança foi assinado há 20 anos e é ainda mais alargado. Ambos os países, como disse Putin, estão ansiosos por combater a propagação da Covid-19, manter relações comerciais, reforçar a cooperação tecnológica e procurar manter a paz internacional.

       

      A afinidade ideológica da China e da Rússia consolida-se numa altura em que as relações sino-americanas e as relações russo-americanas são simultaneamente tensas. O proteccionismo comercial dos EUA contra a China e as suas críticas ideológicas à evolução interna da China, incluindo Xinjiang e Hong Kong, levantaram as sobrancelhas da liderança de Pequim.

       

      Em segundo lugar, o Presidente Xi delineou seis áreas de cooperação mais profunda com a Rússia: (1) o combate conjunto contra a propagação do Covid-19, incluindo a cooperação mútua no ensaio de vacinas contra as variantes do Covid-19 e medidas transfronteiriças contra a propagação da doença; (2) a cooperação industrial nas áreas do fornecimento de energia, desenvolvimento tecnológico e produção de energia renovável; (3) a promoção do desenvolvimento sustentável global de agora até 2030, incluindo o desenvolvimento de novos mercados e a assistência prestada aos Estados em desenvolvimento; (3) o reforço da cooperação regional, nomeadamente a consolidação da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e o seu espírito, especialmente a necessidade de reforçar a segurança colectiva sem permitir que forças estrangeiras interfiram nos assuntos internos dos Estados SCO; (4) o reforço dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) e o seu multilateralismo e economia aberta, bem como a cooperação em matéria de saúde pública; e (5) o reforço do Conselho de Segurança das Nações Unidas para lutar contra a Covid-19 e manter a paz mundial.

       

      Estas seis áreas de cooperação têm implicações importantes para as relações sino-rusas. Ambas as partes consideram o combate contra o Covid-19 como uma prioridade na sua agenda de cooperação. A questão do abastecimento energético é a segunda, seguida do desenvolvimento sustentável na conquista dos corações e mentes de outros Estados em desenvolvimento. Mais importante ainda, a ideia de consolidar a segurança colectiva da SCO tem a implicação de se defender de qualquer intervenção estrangeira, enquanto a cooperação mais estreita dos países nos BRICS e no Conselho de Segurança significa que a coligação sino-russa é cada vez mais forte do ponto de vista político do que nunca.

       

      Em resposta às seis áreas de cooperação propostas por Xi, a reacção de Putin foi calorosa e positiva, afirmando a importância da colaboração nestas áreas e acrescentando que a Rússia apoia resolutamente a posição da República Popular da China (RPC) sobre a questão de Taiwan.

       

      O estreitamento das relações russas com a China surge numa altura em que as relações russo-americanas estão a deteriorar-se rapidamente em relação à questão da Ucrânia. No início de Dezembro, foi noticiado que os serviços secretos norte-americanos encontraram a Rússia reunindo 175.000 tropas ao longo da fronteira da Ucrânia, e que a Rússia talvez “invadisse” a Ucrânia, que estava à deriva politicamente em direcção aos aliados ocidentais.

       

      Em 18 de Dezembro, a Rússia disse que queria ter um acordo juridicamente vinculativo de que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) iria desistir da acumulação militar nos Estados da Europa de Leste, incluindo a Ucrânia. As exigências russas abraçam o veto de Moscovo a qualquer futura adesão da Ucrânia à OTAN – uma exigência que os Estados ocidentais já rejeitaram. Até o governo ucraniano acrescentou que a Ucrânia tem um “direito soberano exclusivo” para determinar as suas relações com a OTAN.

      Nestas circunstâncias, a Ucrânia tem de ser um Estado tampão mais “neutro” aos olhos da Rússia, mas tornou-se um alvo de assistência militar, senão mesmo de “expansão”, na mente dos Estados Unidos. As relações relativamente tensas entre a Rússia e os Estados Unidos sobre a questão da Ucrânia continuam por desdobrar e por resolver.

       

      Por outro lado, a Rússia e a China constituíram uma ameaça militar ao Japão, do ponto de vista dos pensadores estratégicos japoneses. Em Julho de 2021, uma visita do Primeiro Ministro russo Mikhail Mishustin às Ilhas Kurile, cuja soberania continua a ser contestada entre a Rússia e o Japão, levantou as sobrancelhas do governo japonês. A 19 de Outubro, dez navios de guerra russos e chineses navegaram pelo Estreito de Tsugaru, que é uma estreita passagem marítima que separa Hokkaido e Honshu. A força crescente do Exército de Libertação do Povo (PLA) nos últimos anos foi também vista por Tóquio como uma ameaça militar. As percepções de ameaça militar tornaram as relações triangulares entre a Rússia, China e Japão mais complexas do que nunca.

       

      Uma observação recente feita pelo antigo Primeiro-Ministro japonês Shinzo Abe de que qualquer “aventura” feita pelo PLA em Taiwan levaria a “uma crise para a aliança EUA-Japão” suscitou uma resposta imediata do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, que convocou o embaixador japonês Hideo Tarumi dizendo que os comentários de Abe estavam “extremamente errados”. Foi noticiado que o Ministro Adjunto dos Negócios Estrangeiros Hua Chunying lembrou ao embaixador japonês a anterior agressão militar japonesa contra a China.

       

      Claramente, a percepção das ameaças militares foi agravada por desconfianças políticas decorrentes dos legados históricos nas relações sino-japonesas. Por outro lado, as relações militares cada vez mais estreitas entre o Japão e os Estados Unidos também têm sido vistas pela China e pela Rússia como uma verdadeira ameaça militar.

       

      A disputa territorial entre o Japão e a China sobre a Ilha Diaoyu (Ilha Senkaku em japonês) continua a ser uma questão delicada a ser tratada por ambas as partes. Felizmente, tanto a China como o Japão têm vindo a lidar com a ilha de uma forma mais hábil e discreta, como o envio de embarcações da guarda costeira para patrulhar ao longo das águas próximas da ilha, em vez de enviarem navios de guerra militares demasiado próximos da ilha em disputa.

      Ainda assim, a recente posição mais forte do Japão sobre Taiwan, quer pela posição do governo quer pelas observações dos parlamentares, no meio das relações cada vez mais tensas entre Pequim e Taipé, tem tornado as autoridades da RPC bastante desconfortáveis.

       

      Objectivamente falando, a questão do futuro de Taiwan tem sido exagerada por um grande número de observadores americanos, incluindo analistas militares, que se têm debruçado sobre o mesmo tema que a “invasão” da República insular pelo UCPA seria em breve e iminente. No entanto, tal avaliação baseia-se geralmente em ideias altamente subjectivas e especulativas e não em provas concretas. A força militar crescente do PLA é uma coisa, mas é outra questão da sua “invasão iminente” em Taiwan. Talvez alguns analistas americanos tenham deliberadamente exagerado a ameaça do PLA como um estratagema psicológico de ter um impacto “dissuasor” na acção da RPC.

       

      A avaliação da “iminente” invasão do PLA em Taiwan tem negligenciado consistentemente o facto de a posição de Pequim em Taipé ter permanecido inalterada. Por um lado, o Presidente Xi mencionou que os chineses não lutariam contra os chineses, mas por outro lado, a China não renuncia ao uso da força para lidar com Taiwan, se os elementos “separatistas” que lá se encontram ficarem fora de controlo.

       

      As relações mais quentes entre a Rússia e a China talvez possam ajudar a desanuviar as tensas relações militares entre a Índia e a China ao longo da sua longa fronteira. Escaramuças ocasionais entre os soldados da Índia e da China ao longo da fronteira têm vindo a testar as suas relações diplomáticas e militares. Talvez, felizmente, ambos os lados dos militares pareçam controlar os seus próprios exércitos em caso de conflitos, mesmo incluindo as mortes.

      Dado que a Rússia tem relações cordiais tanto com a Índia como com a China, pode e irá desempenhar um papel mediador crucial no caso de quaisquer tensões graves entre a Índia e a China. Contudo, por outro lado, a Índia tem confiado nas armas militares russas para dissuadir a “ameaça” militar chinesa.

      Em conclusão, as relações mais quentes em curso entre a China e a Rússia são atribuíveis não só à sua afinidade ideológica com a ameaça ideológica “hegemónica” dos Estados ocidentais, mas também à deterioração das relações entre a Rússia e os EUA, por um lado, e às complexas relações entre a China e os EUA, por outro. Dada a sólida aliança militar entre os EUA e o Japão, a disputa territorial entre a Rússia e o Japão, as relações tensas entre a Rússia e os EUA sobre a Ucrânia, e tendo em conta a percepção de Tóquio da “ameaça da China” ao Japão e a Taiwan, as relações quádruplas entre a China, a Rússia, os Estados Unidos e o Japão são naturalmente arrastadas para uma sombra de uma mini-Guerra Fria em que a aliança EUA-Japão se depara com a coligação sino-russa. Neste momento, o equilíbrio de poder entre as duas alianças continua a ser relativamente estável e pacífico. O tempo dir-nos-á como as complexas relações quádruplas entre a China, Rússia, Estados Unidos e Japão se desenvolverão na região da Ásia-Pacífico.

       

      Sonny Lo

      Autor e Professor de Ciência Política

      Este artigo foi publicado originalmente em inglês na Macau News Agency/MNA

      DEIXE UMA RESPOSTA

      Por favor escreva o seu comentário!
      Por favor, escreve aqui o seu nome