Edição do dia

Terça-feira, 9 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
27.9 ° C
27.9 °
26.9 °
83 %
5.1kmh
20 %
Seg
28 °
Ter
28 °
Qua
29 °
Qui
28 °
Sex
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Décima edição do Festival Literário termina com sensação de missão cumprida

      Décima edição do Festival Literário termina com sensação de missão cumprida

      Mesmo que o impacto da pandemia continue a fazer-se sentir na mobilidade, o 10.º Festival Literário de Macau – Rota de Letras conseguiu um resultado “bastante satisfeito”, afirmou a diretora executiva Alice Kok.

      Terminou ontem a 10.ª edição do Festival Literário de Macau – Rota de Letras, depois de três dias de livros, música e espectáculos. Este é o terceiro ano de Alice Kok na organização do festival, sendo ela a única mulher na direcção. Ao PONTO FINAL, a directora executiva confessou que a edição deste ano tentou, sobretudo, adoptar mais ferramentas de videoconferência, organizando palestras através a transmissão online ao vivo de Zoom. Isto devido aos impedimentos de viagem causados pela pandemia. A responsável da organização assinalou também que esta edição pôde ter um programa mais “diversificado”, em comparação com o ano passado.

      Devido à pandemia, as restrições da organização ainda permanecem. A directora executiva lembrou que o Festival Literário de Macau – Rota de Letras era suposto acontecer em Outubro, e, após ter sofrido vários adiamentos, acabou por realizar-se agora. Ainda assim, Alice Kok afirmou que o evento “alcançou absolutamente as expectativas”. A organizadora ficou feliz por ver que o evento conseguiu reunir “muitos excelentes escritores, ‘performers’, músicos e dramaturgos da comunidade chinesa e portuguesa”.

      Esta edição é a décima edição do Festival Literário de Macau – Rota de Letras. A inauguração aconteceu na sexta-feira passada, mas o programa começou ainda antes da inauguração. Realizaram-se espetáculos pré-eventos inseridos no programa desta edição, como: “Por confirmar”, pelo grupo artista local Step Out, e “Não querer Saber de Nunca Saber para Onde ir”, pelo artista português Ezaak Ez.

      A directora notou o “feedback positivo” logo desde o início do evento: “Recebemos ‘feedbacks’ muito bons logo nos pré-eventos. Os bilhetes do espetáculo ‘Por Confirmar’ estiveram esgotados nas seis sessões realizadas. E era suposto realizarmos apenas duas sessões do espetáculo ‘Não Querer Saber de Nunca Saber para Onde ir’, do Ezzak Ez, no Macau Art Garden, mas, tendo recebido tanto entusiasmo e a calorosa reacção do público, resolvemos adicionar mais uma sessão extra no fim do último dia, após os programas agendados. Temos todo o prazer em ver que o público gostou”.

      A Alice Kok frisou que, graças à tradução e interpretação, constatou que diferentes culturas podem ser transmitidas e compreendidas entre as comunidades através da superação da barreira linguística. “Apesar de falarmos línguas diferentes, podemos encontrar um ‘ponto comum’, permitindo partilharmos o sentimento de envolvimento e ressonância”, refere a responsável.

      Com a realização do espetáculo de teatro “Deolinda da Conceição e as mulheres desfavorecidas”, adaptado de uma obra literária dos anos de 1950 da escritora macaense Deolinda da Conceição, “Cheong-Sam: A Cabaia”, criado pelo dramaturgo local Luciano Ho, Alice Kok disse acreditar que é importante preservar, a cada geração, a nossa história e tradição, que constituem essenciais elementos da identidade de Macau. A directora executiva recordou: “Tivemos a sorte de poder convidar António Conceição Júnior, filho de Deolinda da Conceição. Através da plataforma Zoom, pudemos ter uma preciosa oportunidade de contacto para a interação e intercâmbio”.

      Alice Kok ainda sublinhou que o Festival Literário tem o firme objectivo que “promover e preservar obras literárias sublimes, com o intuito de obras literárias clássicas não ficarem desaparecidas e esquecidas no tempo, podendo continuar a estar vivas noutra época, para servirem às novas gerações de inspiração para criar novas obras”.

      A directora executiva frisou que o Festival Literário de Macau – Rota de Letras já tem um público fiel na comunidade portuguesa, no entanto, para a comunidade chinesa, “ainda existe uma grande margem de trabalho [para conseguir isso]”. Macau, como uma cidade com diferentes grupos culturais, como o oriental e o ocidental, a organização pretende atrair mais espectadores e leitores chineses. Assim, para alcançar a finalidade de “promoção da literatura” ao público, Alice Kok indicou que teve a especial intenção de organizar mais sessões de interesse para a comunidade chinesa, fazendo a ligação ao mundo literário chinês.

      “É bom notarmos mais a atenção da comunidade chinesa. O nosso outro subdiretor da organização do evento, Yao Jingming, professor catedrático da Universidade de Macau, ajuda-nos a sensibilizar mais a atmosfera e actualidade da esfera literária na China, através do contacto com mais escritores chineses no interior da China, podemos perceber melhor o outro mundo”. Além do cosmos literário chinês da China, Alice sublinhou a importância de conhecer e promover a literatura local de Macau, de matriz chinesa, esperando que futuramente o “Festival Literário de Macau possa criar um Festival Literário que pertença à população de Macau”.

      DEIXE UMA RESPOSTA

      Por favor escreva o seu comentário!
      Por favor, escreve aqui o seu nome