Edição do dia

Domingo, 3 de Março, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
18.9 °
14.9 °
88 %
1.5kmh
40 %
Dom
20 °
Seg
22 °
Ter
23 °
Qua
24 °
Qui
19 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Chan Hin Io apresenta paisagens montanhosas de Macau  

      Chan Hin Io apresenta paisagens montanhosas de Macau  

      O fotógrafo radicado em Macau revela um conjunto de 25 imagens que reproduzem a intenção e o estilo da pintura tradicional chinês de paisagens. Para o curador e director da galeria 1844 Macau Photography Art Space, Ieong Man Pan, Chan Hin Io “construiu um ângulo de visão que manifesta o poder que é semelhante à perspectiva de Deus”.

      De 6 a 29 de Dezembro, o 1844 Macau Photography Art Space apresenta “A Nova Paisagem Montanhosa de Macau”, uma exposição individual de 25 trabalhos recentes fotógrafo Chan Hin Io.

      A exposição apresenta um conjunto de imagens de Macau que reproduzem a intenção e o estilo da pintura tradicional chinesa de paisagens. “Observando de longe, essas primorosas pinturas de paisagens são formadas por uma variedade de estranhas e dissonantes ‘paisagens artificiais’, que as diferenciam da típica fotografia de paisagem a que estamos acostumados”, começa por desvendar ao PONTO FINAL o curador e também fotógrafo, Ieong Man Pan.

      Igualmente director da galeria 1844, Ieong Man Pan considera que dentro das obras, “pode-se perceber a presença de casas, chaminés, guindastes, áreas de recuperação, arranha-céus erguendo-se de Hengqin através do mar, troncos de árvores retorcidos, rochas de diferentes formatos, e assim por diante, todos testemunhas vivas da Macau de hoje”.

      Com vários anos de experiência em fotografia aérea, Chan Hin Io “construiu um ângulo de visão que manifesta o poder que é semelhante à perspectiva de Deus”, afirma o curador da exposição, que tem o patrocínio da Fundação Macau.

      Juntamente com a composição circular comumente vista nas pinturas chinesas, as obras inéditas que agora estarão expostas na 1844 “simbolizam a nostalgia que o autor sente pela cultura passada e carregam a sua experiência única como um local”. “Calmas, mas confusas, também constituem a sua contemplação sobre o futuro de Macau, revelando o seu anseio subtil por uma morada espiritual pessoal”, sugere Ieong Man Pan.

      A galeria pretende com esta exposição, assume o responsável, “fazer a ponte entre a fotografia e a sociedade contemporânea, delineando o desenvolvimento e a trajectória da fotografia artística na história local e para mostrar o papel primordial da fotografia no desenvolvimento da cultura local”.

      Chan Hin Io é o director da galeria da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST, na sigla inglesa). Trabalha como fotógrafo e escritor ‘freelance’. Juntamente com Guilherme Ung Vai Meng criou o Colectivo Yiima, que vai representar Macau na próxima Bienal de Arte de Veneza, a ter lugar no próximo ano, numa curadoria do advogado e fotógrafo João Miguel Barros. O trabalho de Chan centra-se na paisagem humanística e no desenvolvimento urbano de Macau e, nos últimos anos, tem experimentado activamente temas da fotografia contemporânea. As suas obras integram colecções de instituições de renome como o Centro Cultural de Belém, em Portugal, o Museu de Arte de Macau e o Arquivo de Macau. Entre os livros publicados pelo autor destacam-se: “Bairros de Macau: Fotografia Documental por Chan Hin Io”, “Memórias dos Ofícios e Negócios Tradicionais de Macau”, “Vida em Macau 2012 – Fotografias de Chan Hin Io” e “O Lugar onde o Património Mundial Brilha – Fotografia do Centro Histórico de Macau”.

      A 1844 Macau Photography Art Space tem vindo a organizar um conjunto de exposições dedicadas à fotografia com o objectivo de apresentar obras inéditas e inspiradoras ao público local, como forma de promover o desenvolvimento da arte fotográfica em Macau, através da sensibilização cultural do público para a fotografia contemporânea.