Edição do dia

Quinta-feira, 27 de Janeiro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
21.3 ° C
22.7 °
20.9 °
83 %
2.6kmh
20 %
Qui
21 °
Sex
20 °
Sáb
19 °
Dom
16 °
Seg
14 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China lança campanha para promover uso do chinês mandarim

      China lança campanha para promover uso do chinês mandarim

      A China está a lançar uma campanha para promover o chinês mandarim, estimando que 85% dos seus cidadãos vão utilizar o idioma oficial nacional até 2025, em detrimento de dialectos regionais e línguas minoritárias. A mudança parece colocar dialectos regionais chineses ameaçados, como o cantonês, e língua minoritárias, como o tibetano, mongol e uigur sob pressão.

      A ordem emitida ontem pelo Conselho de Estado da China apontou que o uso do mandarim, conhecido em chinês como “putonghua” ou a “língua comum”, continua a ser “desequilibrado e inadequado”, necessitando de melhorias, para atender à procura da economia moderna.

      Críticos protestam esporadicamente contra as mudanças no sistema de ensino e nos requisitos de emprego, que diminuíram constantemente o papel das línguas minoritárias. Eles designam as tentativas de impor o uso do mandarim como uma campanha para erradicar as culturas que não estão em conformidade com o grupo étnico dominante Han.

      A política visa também tornar o mandarim virtualmente universal até 2035, inclusive nas áreas rurais e entre as minorias étnicas do país. A promoção do mandarim em relação a outras línguas gerou protestos ocasionais, inclusive, no ano passado, na região autónoma da Mongólia Interior, quando o idioma mongol foi substituído pelo mandarim como língua padrão no sistema de ensino.

      O Partido Comunista da China denunciou todos esses movimentos como uma forma de separatismo e reprimiu-os. O Partido no poder defende que a conformidade é necessária para o bem da economia e da unidade nacional.

      A política é apoiada por requisitos legais e o documento emitido ontem exige supervisão reforçada para “garantir que a língua nacional comum falada e escrita é usada como a língua oficial das agências governamentais e usada como a língua básica nas escolas, órgãos de comunicação, rádio, cinema e televisão, serviços públicos e outros campos”.

      O mesmo documento também pede às autoridades que “melhorem vigorosamente o estatuto internacional e a influência da língua chinesa” nos meios académicos, organizações internacionais e reuniões globais.

      As tentativas do Governo de promover o mandarim por meio da sua rede mundial de Institutos Confúcio têm sido controversas, com críticos a denunciá-las como uma tentativa de promover a agenda do Partido Comunista e contrariar a discussão de tópicos como o histórico da China no abuso de Direitos Humanos.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau

      DEIXE UMA RESPOSTA

      Por favor escreva o seu comentário!
      Por favor, escreve aqui o seu nome