Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Crescimento médio dos salários locais não deve ultrapassar 7% até 2030

      Crescimento médio dos salários locais não deve ultrapassar 7% até 2030

      A taxa média de crescimento anual dos salários dos trabalhadores de Macau deverá abrandar nos próximos dez anos e raramente exceder o crescimento médio anual de 7,2%, revela um estudo tornado público pela Faculdade de Ciências Sociais (FCS) da Universidade de Macau (UM).

       

      O estudo foi encomendado pelo Fundo de Segurança Social (FSS) do Governo da RAEM que procura implementar a viabilidade da aplicação de um sistema de fundos de pensões centrais obrigatórios nos próximos anos, com o estudo incluindo cálculo sobre a avaliação prevista dos trabalhadores locais remunerações.

      O relatório da UM aponta que o rápido desenvolvimento do sector do jogo levou a um aumento salarial acentuado em 2012, 2013 e 2015.

      O salário médio local aumentou de 11 mil patacas em 2011 para 20 mil patacas em 2020. “No entanto, o desenvolvimento da economia está entrar numa fase cada vez mais estável, de modo que o crescimento de salários mensal permanece relativamente estável. Desta forma, os investigadores acreditam que nos próximos dez anos o aumento do rendimento mensal do emprego dos trabalhadores de Macau deverá ser moderado”, pode ler-se no relatório.

      É esperado que, este ano, a RAEM registe um crescimento salarial na ordem dos 4%, com Guangdong e Hong Kong a registar um crescimento salarial de 4,7% e 3,1%, respectivamente.

      O estudo também divulga uma lista das despesas dos diferentes sectores económicos com salários de emprego, com o sector do jogo a surgir no topo da lista, com quase 22,5 mil milhões de patacas em despesas de pessoal em 2019.

      Em segundo lugar surge o sector da hotelaria e restauração com 14,9 mil milhões de patacas e, por fim em terceiro, o sector da construção civil com gastos em ordenados na ordem das nove mil milhões de patacas.

       

      PONTO FINAL

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau