Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.9 ° C
25.4 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
75 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China avisa Estados Unidos que não fará concessões na questão de Taiwan

      China avisa Estados Unidos que não fará concessões na questão de Taiwan

       

      A China avisou ontem que “não há espaço” para compromissos ou concessões na questão de Taiwan, após o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ter reafirmado o compromisso norte-americano em defender a ilha.

       

       

      O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Wang Wenbin, reafirmou a alegação de longa data da China de que a ilha é parte do seu território, após os comentários feitos por Biden, durante um fórum organizado pela cadeia televisiva CNN.

      “Quando se trata de questões relacionadas com a soberania e integridade territorial da China, e outros interesses fundamentais, não há espaço para a China fazer concessões, e ninguém deve subestimar a forte determinação, vontade e capacidade do povo chinês para defender a soberania nacional e integridade territorial”, realçou Wang.

      “Taiwan é parte inalienável do território da China. A questão de Taiwan é puramente um assunto interno da China, que não permite intervenção estrangeira”, disse. China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas.

      Em 1979, os Estados Unidos romperam relações diplomáticas com Taipé para reconhecer o Governo comunista baseado em Pequim como o único representante da China. Mas continuaram a ser o principal aliado e fornecedor de armas para o território.

      Os EUA devem “ser cautelosos com as suas palavras e acções na questão de Taiwan e não enviar qualquer sinal errado às forças separatistas e pró-independência de Taiwan, de modo a não prejudicarem seriamente as relações China – EUA e a paz e estabilidade no Estreito de Taiwan”, disse Wang. Os EUA não contestam abertamente a reivindicação da China, mas estão comprometidos por lei a garantir que o território tem capacidade para se defender.

      Sob a liderança do Presidente Xi Jinping, que também é líder do Partido Comunista e chefe das forças armadas, a China tem intensificado a pressão militar, diplomática e económica sobre Taiwan.

       

      Durante o fim-de-semana do Dia Nacional, no início do mês, a China enviou um recorde de 149 aviões militares para o sudoeste de Taiwan, em formações de ataque, levando Taiwan a activar os seus sistemas de mísseis de defesa aérea.

      A China também realizou recentemente exercícios de pouso na costa ao lado do Estreito de Taiwan. Os EUA reforçaram o seu apoio a Taiwan através da venda de armamento. O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse, este mês, que o apoio norte-americano a Taiwan é “firme como uma rocha”.

      Os EUA “também deixaram muito claro que estão comprometidos em aprofundar os nossos laços com Taiwan”, disse Price. Na quarta-feira, o diplomata escolhido por Biden para ocupar o cargo de embaixador em Pequim, Nicholas Burns, disse que os cidadão norte-americanos devem “ter confiança na força” dos EUA para lidar com a ascensão da China.

      Burns ecoou a posição do governo Biden de cooperar com a China sempre que possível, mas manter uma postura firme relativamente à política de Pequim para Taiwan ou o território semiautónomo de Hong Kong, onde o regime chinês eliminou vozes dissidentes por meio de legislação e prisões.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau