Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
72 %
5.7kmh
40 %
Dom
16 °
Seg
19 °
Ter
20 °
Qua
20 °
Qui
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Dia da Herança Cultural celebrado no Catedral com comida e jogos tradicionais...

      Dia da Herança Cultural celebrado no Catedral com comida e jogos tradicionais  

      O ‘Heritage Day’, ou Dia da Herança Cultural, é um feriado nacional na África do Sul, celebrado a 24 de Setembro. Este ano, deste lado do mundo, as celebrações vão chegar ao Café Catedral com comes e bebes à mistura e jogos tradicionais, incluindo sabores tradicionais da África do Sul.

      No dia 24 de Setembro há festa em Macau. Os expatriados sul africanos preparam-se para celebrar na zona central da cidade, no Café Catedral, o ‘Heritage Day’, ou o Dia da Herança Cultural. O evento é essencialmente um dia de celebração das raízes das várias culturas integradas na África do Sul.

      “A África do Sul é de facto conhecida por ser a ‘nação arco-íris’ devido às suas etnias, uma mistura de caucasiano, negro e indiano, somos uma diversidade vibrante onde temos integradas todas as nações, culturas, tradições, com 11 idiomas”, começa por explicar Shardale Israel Purmasir, a organizadora do evento e também oriunda da África do Sul, onde nasceu.

      O festejo gira normalmente à volta do ‘braai’, que é basicamente um churrasco sobre o fogo do carvão onde as pessoas se reúnem, bebendo, comendo, com música e jogos. Cada pessoa tem por hábito de trazer um tipo de comida da sua própria herança cultural e há até quem se vista com os seus trajes tradicionais. “É uma ocasião onde todos nos reunimos verdadeiramente como uma nação arco-íris, e como estamos longe de casa e temos muitos sul-africanos em Macau, desejámos criar um ambiente caseiro para os nossos expatriados e partilhar as nossas culturas com os locais aqui também”, refere Purmasir.

      Explicando ao PONTO FINAL um pouco mais acerca do evento, a organizadora refere que o dia, que é um feriado nacional no seu pais, começou historicamente com o Rei Shaka, líder da tribo Zulu na cidade de Durban. “Na África do Sul temos três províncias principais e numa das províncias de Durban, que se chama KwaZulu-Natal, foi onde nasceu um dos reis da tribo Zulu. Começou com ele e depois, em 1995, quiseram que este fosse um dia mais nacional, tendo-se tornado um dia de heranças”, explicou.

      Relativamente ao que se come tradicionalmente neste dia, de acordo com Purmasir, é uma salsicha chamada ‘boerewors’, um tipo de linguiça feita com uma mistura de diferentes tipos de carne como o borrego, carne de porco, carne de vaca, todas misturadas e grelhadas no ‘braai’. “Há um sul-africano a viver em Macau que o faz com a sua parceira e vendem em Macau, incluindo no Café Catedral, que até está incluído no menu”, revela.

      O tradicional churrasco ‘braai’ não vai estar no evento. Infelizmente, mesmo sendo a festa na zona ao ar livre do café, não podemos fazer o fogo lá fora, embora tenhamos pensado sobre isso, mas depois tivemos receio que talvez fosse demais para a polícia local”, prosseguiu.

      Além da salsicha tradicional vai estar também incluído no preço de entrada o arroz biryani, feito com especiarias da África do Sul. “Embora seja um prato indiano, nós os indianos da África do Sul constituímos uma grande parte do país, e fora da Índia penso que temos uma das maiores populações indianas. E eu tendo origens indianas de terceira geração na África do Sul, trouxe também um pouco da minha herança ao evento”, contou ao PONTO FINAL.

      Purmasir revela que esta será a primeira vez que se realiza este evento no território, a esta escala, mas que, por norma, os expatriados organizam sempre algo entre as suas comunidades neste dia

      O evento que decorrerá das 17h até às 20h e tem o custo de 240 patacas. Além dos pratos principais da linguiça tradicional (boerewors) e o arroz biryani, vai incluir também os petiscos biltong (carne seca) e chamuças, além de bebidas alcoólicas, como vinhos da África do Sul e cervejas locais.