Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.5 ° C
23.9 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
40 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Celebridade chinesa corta laços com marca suíça por causa de referência a...

      Celebridade chinesa corta laços com marca suíça por causa de referência a Taiwan

      O cantor chinês Lu Han, ex-membro da popular banda EXO, disse no domingo que rompeu laços com a marca suíça de relógios de luxo Audemars Piguet, depois do seu presidente se referir a Taiwan como um país.

      A China, que reivindica Taiwan como parte do seu território, opõe-se a qualquer referência à ilha autónoma como um país. Durante uma entrevista, o director executivo da marca de relógios François-Henry Bennahmias referiu-se a Taiwan como um “país ultramoderno e de alta tecnologia”.

      O cantor chinês Lu Han, que é desde 2018 embaixador da Audemars Piguet para a China, anunciou em comunicado que ele e a sua equipa exigiram que a marca de relógios peça desculpas em chinês e inglês, mas não conseguiram chegar a um acordo com a empresa, levando Lu a cortar relações. “Os interesses nacionais estão acima de tudo, o estúdio de Lu Han e Lu Han vão defender a soberania nacional e a integridade territorial”, lê-se no comunicado.

      Audemars Piguet difundiu no sábado uma declaração em chinês, através da rede social Weibo, a pedir desculpa pelo “erro” do director executivo. “Pedimos desculpas pela recente declaração incorrecta. Audemars Piguet sempre aderiu à posição de ‘uma só China’ e salvaguardou firmemente a soberania nacional e a integridade territorial da China”, explicou, em comunicado.

      As celebridades na China são frequentemente pressionadas a aderirem à visão e narrativa oficiais ou podem ser sujeitas a repercussões. Celebridades como Fan Bingbing e Zheng Shuang foram pesadamente multadas por evasão fiscal, e a popular atriz Zhao Wei teve o seu nome retirado, na semana passada, dos créditos de filmes e programas de televisão onde participou, sem que haja explicação até à data.

      Em Março, mais de 30 celebridades chinesas cortaram laços com marcas de têxtil como a Nike, H&M e Adidas depois de a imprensa estatal criticar as empresas, por terem expressado preocupações sobre o uso do algodão oriundo da região de Xinjiang, após denúncias de abuso e discriminação contra minorias étnicas na região.

      Organizações de defesa dos Direitos Humanos afirmam que mais de um milhão de membros da minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigur e outras minorias étnicas predominantemente muçulmanas foram colocados em campos de doutrinação.

      Antigos detidos dizem ter sido obrigados a renunciar ao Islão, jurar lealdade ao Partido Comunista Chinês, e sujeitos a tortura e outros abusos. Outros dizem terem sido forçados a assinar contratos de trabalho com fábricas, onde são forçados a trabalhar longas jornadas por salários baixos, e proibidos de deixar as instalações durante os dias da semana.

      O Governo chinês, que inicialmente negou a existência destes campos, afirmou, entretanto, tratar-se de centros de formação vocacional que visam integrar os uigures na sociedade e erradicar o “extremismo” da região.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau