Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
29.8 ° C
29.8 °
29.8 °
83 %
6.2kmh
100 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina acusa EUA de comportamento “hegemónico” após acusações de Kamala Harris

      China acusa EUA de comportamento “hegemónico” após acusações de Kamala Harris

      A China acusou ontem os Estados Unidos de manterem uma postura “hegemónica”, em reacção às declarações da vice-Presidente, Kamala Harris, que garantiu que Washington apoiará os seus aliados no Sudeste Asiático, face às “ameaças” de Pequim.
      “Os Estados Unidos podem difamar, oprimir, coagir e intimidar arbitrariamente outros países sem pagarem por isso. Defendem o seu egoísmo e o seu comportamento hegemónico com base numa ‘ordem’ e ‘regras’, mas quantas pessoas acreditam agora nelas”, questionou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Wang Wenbin, em conferência de imprensa. “Vejam o que está a acontecer agora no Afeganistão, isto enviou um sinal claro para o mundo do que é a chamada ‘ordem americana’: intervir militarmente num Estado soberano, sem assumir responsabilidades pelo sofrimento causado ao seu povo”, acrescentou o porta-voz.
      Segundo Wang, os Estados Unidos fazem “o que querem, sem levar em conta a opinião da comunidade internacional, inclusive a dos seus próprios aliados”. “Esta é a ‘ordem’ que os Estados Unidos querem”, concluiu Wang.
      Harris acusou ontem Pequim de realizar “ações intimidatórias” perto das ilhas Spratly e Paracel, cuja soberania a China disputa com o Vietname, Filipinas ou Malásia. De acordo com a vice-Presidente dos Estados Unidos, Pequim está a “coagir e intimidar” para “reivindicar a grande maioria do Mar do Sul da China”. “Estas reivindicações ilegais já foram rejeitadas em 2016”, disse Harris, em Singapura, referindo-se à decisão do Tribunal de Haia a favor das Filipinas sobre as reivindicações territoriais naquelas águas.
      Apesar da contundência das suas palavras contra Pequim, a vice-presidente dos Estados Unidos esclareceu que o seu compromisso de segurança com o Sudeste Asiático “não é contra nenhum país”. Nos últimos anos, Pequim construiu instalações em ilhas artificiais que podem ser utilizadas para fins militares, o que gerou preocupação nos países vizinhos e nos Estados Unidos, que preconizam a livre navegação em toda a região.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau